fbpx

73ª edição do maior festival de cinema do mundo será de 12 a 23 de maio; em 2018, o cineasta afro-americano foi aclamado e premiado pelo júri do evento por “Infiltrados na Klan”

Texto / Nataly Simões | Edição / Simone Freire | Imagem / Getty Images

O cineasta afro-americano Spike Lee é o primeiro negro a ser nomeado presidente do júri do Festival de Cannes. O anúncio foi feito pelos diretores do maior festival de cinema do mundo nesta terça-feira (14). A 73ª edição do evento será de 12 a 23 de maio de 2020.

Conhecido por seus filmes que denunciam o racismo, Spike Lee afirmou, em comunicado, ter recebido inesperadamente o convite para presidir o júri em Cannes e que o festival foi importante para sua trajetória. “Fiquei chocado, feliz, surpreso e orgulhoso, tudo ao mesmo tempo. O Festival de Cannes teve um grande impacto na minha carreira cinematográfica”, declarou.

O maior festival de cinema do mundo já recebeu em seu júri renomados afro-americanos como a cineasta Ava DuVernay, em 2018, e o ator Will Smith, em 2017. A nomeação de um presidente negro, no entanto, é inédita. Os júris da edição de 2020 serão anunciados em abril.

A participação de Lee em Cannes é marcada pelo sucesso de suas produções cinematográficas. Na edição de 2018, o cineasta foi aclamado e premiado por “Infiltrado na Klan”, suspense sobre a história real de um afro-americano que conseguiu entrar na organização terrorista Ku Klux Klan.

Com mais de 30 anos de carreira, Lee abriu o caminho para uma nova geração de diretores negros como Ryan Coogler (Pantera Negra), Jordan Peele (Corra!), Barry Jenkins (Moonlight) e Ava Duvernay (Selma).

Ausência de negros em premiações do cinema

O anúncio do nome de Spike Lee como presidente do júri do Festival de Cannes aconteceu um dia após o anúncio dos nomeados ao Oscar, premiação criticada, mais uma vez, pela presença mínima de negros e negras entre os indicados.

Em toda série das 92 edições, apenas seis profissionais foram indicados à categoria, entre eles, o próprio Lee, por “Infiltrado na Klan”, na edição de 2018.

O cineasta afro-americano é um dos principais críticos da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos (EUA) e impulsionou, em 2016, um boicote ao Oscar que recebeu diversos adeptos. O motivo foi, justamente, a falta de diversidade, ou seja, indicações negras à premiação.

No anúncio da nomeação de Lee como sucessor do sul-coreano Bong Joon-ho, diretor de “Parasita”, na presidência do júri do Festival de Cannes, a direção pontuou que “o olhar de Spike Lee é mais do que nunca precioso”.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com