O desfile realizado nesta sexta (26) gerou polêmica entre o estilista e alguns críticos por algumas peças usarem o rosto da ex-vereadora

Texto / Simone Freire
Imagem / SPFW

O desfile do estilista Ronaldo Fraga na edição deste ano no São Paulo Fashion Week, realizado na sexta-feira (26), gerou fortes polêmicas por seu conteúdo.

Inspirado nos painéis Guerra e Paz, de Candido Portinari, Fraga levou para a passarela peças alvejadas por tiros, marcas de sangue e algumas imagens de Marielle Franco, assassinada em março de 2018.

"Se Portinari fosse pintar Guerra e Paz hoje com certeza não iria ignorar o genocídio de negros e pobres nesse país. E mais ainda: não iria ignorar o maior símbolo dessa luta, que é Marielle Franco. A moda pode falar de tudo. Do belo, da rica Miami, das ilhas gregas, e pode falar também da vida real. E eu sempre optei por esse caminho", disse o estilista.

 
 
 
 
 
Visualizar esta foto no Instagram.
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Não podemos nos calar. Não nos calarão. Tamojunto @aniellefranco . . . #candidoportinari #quemmatoumarielle #quemmatoumarielleeanderson #fogoamigonãovale

Uma publicação compartilhada por Ronaldo Fraga (@fragaronaldo) em

No entanto, Fraga foi criticado por usar as imagens da ex-vereadora para capitalizar e não ter entrado em contato previamente com a família. No domingo (28), a irmã de Marielle, Anielle Franco, escreveu em suas redes sociais que se incomodou com a exposição da irmã no evento e caracterizou o uso da imagem da irmã como indevida.

Ela também elogiou a atitude do estilista que, por telefone, a procurou para se desculpar e explicar que a coleção não será comercializada, mas que as peças com o rosto de Marielle serão doadas à famÍlia.

 
 
 
 
 
Visualizar esta foto no Instagram.
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Nos últimos dias fui bombardeada com uma enxurrada de mensagens e fotos sobre o desfile da fashion week e sobre a coleção do @fragaronaldo. Eu realmente não entendo quase nada de como funciona o mundo da moda. Mas me incomodei com a imagem da minha irmã sendo mais uma vez exposta sem aviso prévio da família. Mas o meu incômodo nunca foi só esse. E sim, o fato de muita gente usar a imagem dela de forma errada. Que não foi o caso dele! Eu entendo que ela é gigante e sempre será. Mas as pessoas precisam entender que a morte da Mari vai muito além de ideologia política e que por trás dessa morte existe uma FAMÍLIA DESPEDAÇADA que ainda hoje sofre com essa violência. Essa guerra de valores que estamos vivendo tem lado, e quase sempre o lado esquecido, é o lado do negro, pobre, homo, trans e etc! Isso sim me incomoda mais do que qualquer outra coisa. E com toda essa indignação, eu não medi esforços para postar, falar, fazer stories e comentar sobre esse caso. Até que hoje, de maneira sensata e digna, recebo uma ligação do próprio Ronaldo Fraga, pedindo desculpas por não ter entrado em contato anteriormente com a família. Me explicou o que o motivou a fazer tal coleção, e disse que tais itens NÃO SERÃO comercializados e que ainda serão enviados aos meus pais. Que essa atitude dele seja reconhecida. Em tempos de fascismo, ódio, e fake news, agradeço a ele por sua forma de pensar, empatia e sensibilidade em se preocupar com a família mesmo após toda essa repercussão. E que isso sirva de aprendizado e aviso, pra dizer que a família não permitirá a exposição indevida da imagem de Marielle! Parabéns pela atitude @fragaronaldo e obrigada por sua postura em nos procurar!

Uma publicação compartilhada por Anielle Franco (@aniellefranco) em

bannerhorizontal

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com

Mais Lidos