fbpx

Fim do programa Mais Médicos, com a chegada de Jair Bolsonaro ao cargo de presidente, deixa a comunidade negra mais vulnerável no campo da saúde, segundo especialistas

Texto / Thalyta Martins
Imagem / A médica Vallentina Cuello Vargas usa um cadáver para explicar o sistema vascular a alunos de anatomia do primeiro ano, na Escola Latino-Americana de Medicina (ELAM). Allison Shelley

No dia 14 de novembro, o governo de Cuba informou o fim do programa social “Mais Médicos” no Brasil. As declarações “ameaçadoras e depreciativas” do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), que anunciou mudanças consideradas “inaceitáveis” ao projeto governamental, foram apontadas como os motivos para o desfecho da parceria.

A saída deixa 28 milhões de pessoas desassistidas de atendimento médico, segundo a Confederação Nacional dos Municípios (CNM). Os profissionais cubanos ocupavam 8.332 postos, das 18.240 vagas do Programa Mais Médicos no Brasil, o que deixa 285 municípios no país sem médico algum, de acordo com o Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde. No dia 20 de novembro, o governo abriu novas inscrições para médicos que desejem atuar no programa.

Maria José Menezes, bióloga formada pela USP e com mestrado na área da saúde pela UFBA, afirma que o SUS é utilizado por uma grande parcela da população que sente os efeitos da falta de infraestrutura na área. Segundo ela, a saída dos médicos cubanos intensifica este cenário. 

“Já sentimos o reflexo com o aumento da mortalidade infantil, redução drástica da cobertura vacinal, cortes na assistência a pacientes com doenças graves como câncer, risco de ressurgimento da poliomielite, erradicada do Brasil no século passado. Em síntese, tivemos um retrocesso na saúde pública de três décadas. A saída dos médicos cubanos agravou ainda mais a nossa situação. Foi criminoso o que este futuro presidente fez”. 

O Sistema Único de Saúde (SUS) nasceu em 1988 e atende hoje uma maioria negra: quase 80% dos usuários. Para Maria José Menezes, é esse grupo que mais vai sentir a saída dos médicos cubanos.

“Os médicos cubanos atuavam nas regiões periféricas, junto a uma população com alta vulnerabilidade social. Sem assistência médica, certamente esta situação será ainda mais grave”, explicou Maria José.

Cleber da Costa Firmino é formado em medicina pela ELAM (Escola Latino Americana de Medicina) e ressalta o impacto positivo da presença dos médicos negros cubanos no atendimento cotidiano, algo diferente do habitual no Brasil. Segundo dados do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), apenas 2,66% dos estudantes que concluíram o curso de medicina em 2010 eram pretos ou pardos.

"Nunca no Brasil nós tivemos tantos médicos negros para atender uma população negra e pobre. Isso traz uma questão subjetiva em quem está sendo atendido. É muito diferente para uma criança negra ir em uma unidade de saúde e encontrar um médico negro, seja ele cubano ou brasileiro", afirmou.

corpoaraquem

(Foto: Araquém Alcântara)

“Maus médicos”

No dia 22 de agosto, durante discurso em Presidente Prudente, Bolsonaro afirmou que iria expulsar os médicos cubanos com o Revalida, exame realizado anualmente para validar diplomas de medicina expedidos por universidades de fora do Brasil.

O presidente eleito tinha também o projeto de admitir os médicos por meio da contratação individual. A ideia era permitir a vinda dos familiares cubanos e dar salário integral aos profissionais estrangeiros, que atualmente ganham um quarto da remuneração total, que é repassada do governo brasileiro para a Opas (Organização Panamericana de Saúde) e só depois para os médicos.

O país tem uma parceria com a Opas, que estabeleceu o acordo com o Ministério da Saúde brasileiro com regras específicas, entre elas a dispensa de validação do diploma dos profissionais cubanos. O Mais Médicos foi criado em 2013, no governo de Dilma Rousseff, e tinha o objetivo de levar profissionais de saúde para regiões distantes dos grandes centros urbanos e periferias do país.

Para Bolsonaro, a parceria com Cuba não tinha interesses sociais, mas sim políticos. Em agosto de 2013, o na época deputado chegou a dizer que o plano de Dilma Roussef era trazer "agentes" cubanos para promover o socialismo no país e também chamou os profissionais cubanos de “maus médicos”.

“Prestem atenção! Está na medida provisória: cada médico cubano pode trazer todos os seus dependentes. E a gente sabe um pouquinho como funciona a ditadura castrista. Então, cada médico vai trazer 10, 20, 30 agentes para cá. Podemos ter, a exemplo da Venezuela, 70 mil cubanos aqui dentro! E um detalhe, Marquezelli: esses agentes podem adquirir emprego em qualquer lugar do Brasil com carteira assinada, inclusive cargos em comissão. Olhem o perigo para a nossa democracia!”, disse no dia 8 de agosto de 2013 na Câmara.

Em concordância com as ideias de Jair Bolsonaro, médicos e entidades se pronunciaram quando o programa foi lançado e ainda em 2013 hostilizaram médicos cubanos quando estes saíam de uma aula preparatória inaugural no Ceará. Cerca de 50 profissionais brasileiros que gritavam palavras de ordem e reivindicavam pela realização do Revalida.

A imagem que viralizou na internet na época foi de um médico negro passando entre médicos brancos que gritavam palavras de cunho preconceituoso e xenofóbico.

corpomaismedicos

(Foto: Jarbas Oliveira)

Em 2016, Bolsonaro e seu filho, o deputado Eduardo Bolsonaro, apresentaram uma emenda para proibir dependentes dos médicos intercambistas de "exercer atividades remuneradas, com emissão de Carteira de Trabalho e Previdência Social pelo Ministério do Trabalho e Emprego".

“O intuito da presente emenda é limitar o estabelecimento de vínculos permanentes, por parte dos dependentes dos médicos intercambistas estrangeiros, vez que esses exercerão suas atividades em caráter temporário, conforme prevê o Programa Mais Médicos, instituído pela Lei nº 12.871, de 22 de outubro de 2013, do qual discordo em sua totalidade”, conforme mostra o documento.

Cuba e Brasil na saúde

Cuba, um país da América Central que vive desde 1959 em regime comunista, tinha em 2014 expectativa de vida média de 79,39. Segundo o relatório do Estado Mundial da Infância do Unicef, em 2015, o país alcançou em 2015 uma taxa de mortalidade infantil abaixo de cinco por 1.000 nascidos, dado que coloca o país entre as primeiras 40 nações do mundo.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) atestou em 2015 que o sistema de saúde cubano está acima da média mundial. Entre as conquistas da ilha estão: o desenvolvimento da primeira e única vacina contra a meningite B; novos tratamentos para combater a hepatite B, o vitiligo, o pé diabético e a psoríase; uma vacina contra o câncer de pulmão; e a eliminação da transmissão materno-infantil de HIV.

Os médicos cubanos já estiveram presentes durante a epidemia de ebola na Libéria, Serra Leoa e Guiné em 2014, no Paquistão após o terremoto de 2005 e na América Central depois da passagem dos furacões Mitch e George em 1998.

A ELAM, instituição onde Cleber da Costa Firmino se formou em Cuba, foi criada com o objetivo de formar pessoas pobres de toda América Latina em médicos. Segundo ele, a saúde do país caribenho tem seu pilar na atenção primária, ao contrário do Brasil, que favorece o mercado.

"Em Cuba, todos os conhecimentos obtidos durante os estudos devem ser usado na transformação da realidade e não somente para obtenção de lucro. Essa é uma questão fundamental em Cuba. Ser médico é uma missão revolucionária e acho que nós nunca vamos entender isso com clareza", disse.

O Brasil, por outro lado, não é bem avaliado internacionalmente na área da saúde e ocupa, por exemplo, o 49° lugar na lista de 71 nações do mundo em uma pesquisa do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) sobre a eficácia dos sistemas de saúde na região. O estudo aponta, no entanto, que o Brasil está entre os países que mais gastam com saúde na América Latina.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com