fbpx
 

Artista do norte brasileiro inaugura a carreira solo com o clipe “Reflexos”, disponibilizado no YouTube; música traz como referência Oxum, orixá da beleza, do amor e da maternidade

Texto: Flávia Ribeiro | Edição: Nataly Simões | Imagem: Fabio Ramos 

Com a carreira musical iniciada em 2015, a cantora e compositora paraense Matemba lançou seu primeiro clipe nesta quarta-feira (10). Em “Reflexos”, ela fala de assuntos como religiosidade, relacionamentos abusivos e amor próprio. O clipe conectou diversos parceiros com o propósito de fortalecimento da cadeia produtiva das artes e impactar a produção independente do Pará. “Reflexos é uma música autoral baseado nas minhas vivências. Trata de uma mulher que um dia acorda e vê que merece mais. Então, ela abandona alguns relacionamentos, principalmente o que tinha com o companheiro dela”, conta Matemba.

 A música traz como referência Oxum, orixá da beleza, do amor e da maternidade, que tem uma forma bem específica de lutar que é com o espelho. “A música fala basicamente sobre isso, sempre se olhar no espelho para nunca se perder”, explica a cantora.

A ideia do clipe surgiu após uma conversa sobre planejamento de carreira. “Foi um processo muito orgânico e bem espontâneo para fazer a produção, mas tudo mundo ajudou. Por isso, sempre digo que esse trampo não é só meu e que cada um colocou um pouco da sua essência no trabalho”, destaca Matemba, que fala nas músicas da sua vivência de mulher negra, afro religiosa e artista independente, trazendo uma sonoridade com fortes influencias no rap, trap e batuque africano.

Para a artista, a sensação de lançar o clipe, em um trabalho realizado de maneira coletiva e em meio à pandemia da Covid-19, o novo coronavírus, tem um significado especial. “A pandemia também influenciou no desenvolvimento do processo, mas finalmente a gente conseguiu. O meu sentimento agora é de alívio porque eu vou deixar uma marca minha nesse mundo, mas ainda vem muito trabalho pela frente”, reforça.

O clipe foi realizado pela Caribé Filmes, uma empresa de produção audiovisual que nasceu do fortalecimento da cena rap paraense, por meio da produção de videoclipes. A direção é da Anna Suav e a fotografia do Fábio Ramos.

Com três anos de atuação, a produtora já ampliou o repertório para documentar as mais diversas expressões artísticas na Amazônia. Além de Belém, a Caribé já passou por Macapá e Manaus com produções de videoclipes, documentários, coberturas fotográficas, cinematográficas e voos aéreos. A produção é protagonizada pela dançarina e performer Anastacia marshely e o rapper Daniel ADR.

A música “Reflexos” está disponível nas plataformas digitais. Assista ao clipe:

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com