As consequências do desmonte do sistema de aposentadorias prejudicam mais os agricultores no campo

Texto / Juca Guimarães | Imagem / Reprodução | Edição / Simone Freire

As possíveis mudanças na Previdência Social, em discussão atualmente no Congresso, dificultam as regras para a aposentadoria rural, ampliando a idade mínima e o tempo de contribuição para os agricultores familiares.

Desta forma, os quilombolas e a população negra que vive em territórios de demarcação de quilombo não vão conseguir se aposentar, de acordo com Jesus Divino, consultor e especialista em Previdência Social.

“As consequências econômicas e sociais do desmonte da Previdência são terríveis. As pessoas que mais precisam da proteção social vão ficar desamparadas. É o caso do negro agricultor e do quilombola. O que ainda mantém o trabalhador no campo é a possibilidade da aposentadoria. Sem ela, aumenta o exôdo rural, diminui a diversidade de produção e favorece a expansão dos latifúndios”, disse Divino.

A proposta aumenta de 15 anos para 20 anos o tempo mínimo de contribuição para se aposentar no campo. Além disso, deverá ser feita uma contribuição anual, em dinheiro, no valor de R$ 600 por membro da família.

Dados apurados em abril apontam que, com as possíveis mudanças, 63.507 famílias de negros descendentes de pessoas escravizadas que vivem no campo e produzem alimentos no modelo de agricultura familiar serão impactadas.

Pela regra em vigor atualmente, a contribuição previdenciária do trabalhador do campo que atua na agricultura familiar é indireta, ou seja, é descontado uma parte da venda da produção por meio de impostos, quando ele vende a produção. E essa contribuição, que varia de acordo com o preço dos produtos que ele plantou, vale para todo o núcleo familiar.

A mulher do campo

O governo também propõe que a idade mínima da aposentadoria rural seja de 60 anos para homem e para mulheres, sem distinção. A regra atual, no entanto, é de 60 anos para os homens e 55 anos para as mulheres.

“A mulher negra que trabalha na agricultura familiar é duplamente atacada pela reforma que vem por aí. Tem o aumento do tempo de contribuição, que é quase impossível de ser atingido. É a ampliação de mais cinco anos na idade mínima”, disse Divino.

O efeito da reforma na aposentadoria rural vai afetar também o custo de vida de quem vive nas cidades, uma vez que a agricultura familiar é responsável por 70% da variedade de alimentos que são vendidos no Brasil.

“Vai aumentar o preço dos alimentos. A saúde do brasileiro vai piorar com o aumento do consumo de produtos super processados e cheios de agrotóxicos. Essas coisas que a gente encontra hoje nas feiras e nos supermercados, essa diversidade de verduras, legumes e frutas é produzido pela agricultura familiar, essa agricultura que é feita pelos trabalhadores negros nos quilombos. O grande latifúndio, o agronegócio, não produz alface, não produz quiabo, não produz vagem”, explicou.

Processos

Os casos de demarcação e regularização de terras quilombolas também estão parados. Atualmente, apenas uma em cada quatro famílias de negros quilombolas do Brasil estão em áreas regularizadas e com título de propriedade, de acordo com dados do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

No entanto, apenas 16.142 famílias de negros agricultores vivem em quilombos regularizados, cerca de 25% do total de famílias identificadas pelo Incra.

A maioria dos quilombolas do Brasil, cerca de 33.300 famílias, vivem em territórios já identificados como quilombos, mas ainda aguardam a portaria do governo com a demarcação da terra.

Outras 14.032 famílias negras agricultoras vivem em quilombos demarcados, com portaria de reconhecimento e demarcação do território, porém, sem a regularização definitiva da área.

Existem também 1.755 processos abertos de criação de quilombos no Brasil. A estimativa é que mais de 255 mil negros e negras cultivem alimentos em terras quilombolas.

bannerhorizontal

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com

Mais Lidos