fbpx

Censo da Prefeitura de São Paulo mostra que a maioria das pessoas em situação de rua são negras e do sexo masculino

Texto: Nataly Simões | Edição: Pedro Borges | Imagem: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

O número de pessoas em situação de rua na cidade de São Paulo chegou a 24.344 pessoas e é composto majoritariamente por negros autodeclarados (70%) e homens (85%), de acordo com o Censo realizado pela prefeitura.

O contingente de pessoas nessa condição é 60% superior ao de 15,9 mil, identificado no último levantamento, realizado em 2015. A taxa também superou em 32% a estimativa feita pela gestão de Bruno Covas (PSDB), que esperava contabilizar 18.216 moradores de rua.

Para o integrante da Nova Frente Negra Brasileira, Eduardo José Barbosa, conhecido como Bob Controversista, o aumento da população em situação de rua é uma das consequências do racismo institucional.

“Pode-se afirmar que o surgimento dessa população se deve aos reflexos da exclusão social viabilizada sobretudo pelo racismo institucional, que atinge e prejudica cada vez mais um número maior de pessoas, em sua ampla maioria negras e negros fora do atual modelo econômico”, afirma o membro do coletivo formado por negros de diversos movimentos sociais atuantes na mudança do panorama socioeconômico e político dos negros no país.

Segundo o Censo, cerca de 45% da população em situação de rua vive na região da Sé e 19% na Mooca. As regiões mais periféricas, como Parelheiros, Perus e Sapopemba reúnem 0,07% desse contingente.

Entre as razões apontadas pelo levantamento para essas pessoas terem ido parar na rua estão razões como morte de entes queridos e brigas familiares (50%), problemas de saúde (5%) - como depressão e dependência química (33%) -, falta de moradia (13%) e desemprego (13%).

A maior parte da população de rua está concentrada em regiões centrais por causa da facilidade de acesso a serviços necessários para a sobrevivência, conforme aponta Bob Controversista.

“O centro de São Paulo é um território onde é possível encontrar acolhimento e alimentação, mesmo que sucateados e sem condições de atender uma alta demanda de pessoas. Existem várias ONGs e igrejas, por exemplo, que ajudam essas pessoas. Em raras exceções, os sujeitos encontram no consumo de álcool e drogas a saída para suas frustrações”, sustenta.

Descaso do governo municipal e ausência de políticas públicas

Integrante da Nova Frente Negra Brasileira, Bob Controversista, recorda que uma das manifestações do racismo institucional é a falta de políticas públicas voltadas para o acolhimento da população em situação de rua.

“É mais um braço do projeto higienista, fruto de séculos de abandono e inviabilização da participação popular na construção de políticas públicas de inclusão social via geração de emprego e renda, além do acesso à educação e moradia”, avalia.

O Movimento Nacional de População de Rua é uma das mobilizações sociais que alertam para a importância da participação popular no governo. Bob Controversista conclui que um dos caminhos é o Estado priorizar a população de rua e incluir representantes dessa parcela populacional na gestão.

“Tanto na esfera do executivo quanto na do legislativo, a maioria das pessoas são homens brancos, héteros, ricos e cristãos. Uma saída para o problema secular da população em situação de rua é a ocupação de representantes dessas pessoas nos espaços de poder e de decisão. Somente com um estado forte e que realmente chega à ponta do problema será possível reverter o descaso sofrido por quem vive na rua”.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com