fbpx

Rodrigo Maia (DEM-RJ) se reuniu com parlamentares da oposição ao governo Bolsonaro e com representantes das comunidades tradicionais de Alcântara para discutir sobre o projeto que pode ter impacto na sobrevivência desses povos

Texto / Nataly Simões | Edição / Pedro Borges | Imagem / Reprodução

O Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), solicitou ao Ministério Público Federal, na quarta-feira (25), a produção de uma nota técnica que garanta o direito de as comunidades quilombolas serem consultadas antes da decisão do Congresso Nacional sobre o Acordo de Salvaguardas Tecnológicas (AST). A medida permite aos Estados Unidos explorarem o território de Alcântara, no Maranhão, para o lançamento de foguetes.

O direito de os quilombolas serem ouvidos sobre a exploração é respaldado pela Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT). A convenção estabelece que comunidades tradicionais sejam consultadas previamente sobre mudanças em seus territórios.

Os deputados federais Áurea Carolina (PSOL/MG), Talíria Petrone (PSOL/RJ), David Miranda (PSOL/RJ) e Bira do Pindaré (PSB/MA) solicitaram uma reunião com Rodrigo Maia para reforçar que a consulta aos quilombolas seja realizada antes de qualquer decisão legislativa ou administrativa com potencial para impactar a sobrevivência dessa população e a relação com o território ancestral.

A reunião com o Presidente da Câmara contou com a participação de representantes das comunidades tradicionais de Alcântara e integrantes da Coalizão Negra Por Direitos.

Rodrigo Maia se comprometeu a paralisar a tramitação do Acordo de Salvaguardas Tecnológicas (AST) até que as comunidades quilombolas sejam ouvidas.

Segundo a deputada federal Áurea Carolina (PSOL-MG), o posicionamento do Presidente da Câmara é importante para que os direitos das comunidades tradicionais não sejam violados.

“Ganhamos mais tempo para agir e garantir esse direito aos quilombolas do Maranhão. Não vamos permitir que a política entreguista do governo Bolsonaro viole determinações internacionais de proteção aos modos de vida dessas comunidades”, afirmou a parlamentar.

O Acordo de Salvaguardas Tecnológicas (AST)

Jair Bolsonaro (PSL) visitou os Estados Unidos em março para formalizar com Donald Trump o Acordo de Salvaguardas Tecnológicas (AST). O projeto do Presidente da República determina a ampliação do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) para 12.645 hectares. O espaço é equivalente ao de 8.978 campos de futebol.

Um dos resultados deve ser a desapropriação de mais de 800 famílias. Até o momento, o poder público não informou para onde a população será realocada.

Mesmo sem ouvir as comunidades quilombolas, conforme foi solicitado pela oposição ao governo Bolsonaro, a Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional da Câmara dos Deputados aprovou em agosto o projeto.

O acordo ainda deve tramitar pelas comissões de Ciência e Tecnologia e de Constituição e Justiça (CCJ). Em seguida, o texto segue para votação no plenário da Câmara. Depois, para análise no Senado.

Com o pedido de Rodrigo Maia ao Ministério Público, esses processos devem ocorrer somente depois de as comunidades quilombolas de Alcântara, no Maranhão, serem consultadas.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com