fbpx

Mais de 250 metros quadrados de vegetação em torno da lagoa de Abaeté já tinham sido destruídos pelo governo baiano, sem licença prévia

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nataly Simões I Imagem: Coletivo AbatéViva

Um abaixo-assinado com mais de 10 mil assinaturas e um protesto dos povos de terreiros da Bahia conseguiram interromper uma obra realizada sem licença nas margens da Lagoa de Abaeté, em Itapuã, bairro de Salvador. O governo estadual desmatou uma área de 250 metros quadrados considerada como sagrada para as religiões de matriz africana. A localidade é um tradicional ponto turístico e histórico baiano.

Moradores do bairro e as principais lideranças dos terreiros no entorno da lagoa fizeram uma mobilização pela internet, um ato público no começo de junho e um abaixo-assinado que pedia a mudança do local de uma obra de saneamento básico.

“Não somos contra o progresso. Achamos importante a construção da plataforma elevatória de esgoto, porém não precisa ser tão próxima da lagoa e nem em nosso território sagrado”, diz a yalorixá mãe Jaciara, do Ilê Abassa Ogum.

No dia 5 de junho, uma inspeção da Secretaria Municipal de Urbanismo de Salvador interditou a obra por falta de licença para construção. O local desmatado está dentro de uma Área de Proteção Permanente (APP) e a empresa contratada pelo governo estadual para a obra foi multada.

“Não sabemos ainda se a obra será retomada. Isso nos preocupa bastante. O que queremos é a reparação da área destruída”, afirma Flávio Magalhães, do Ilê Abassa de Ogum e um dos organizadores da campanha #abaeteviva.

A lagoa do Abaeté é um patrimônio ambiental da região. Estudantes de escolas públicas de Itapuã têm aulas de preservação ambiental e sobre biodiversidade na lagoa. “É um patrimônio civilizatório milenar dos povos indígenas da região e dos povos africanos. Desenvolvi muitos trabalhos de educação inspirados na lagoa e ela é muito importante para as nossas gerações futuras”, recorda a educadora Nacimaria Luz.

O local também é conhecido pela prática de diversidade religiosa. Na lagoa acontecem rituais e cerimônias de batismo de grupos evangélicos, de umbanda e do candomblé.

O Alma Preta procurou a Secretaria de Desenvolvimento Urbano (Sedur) e questionou sobre as licenças ambientais e de construção na lagoa do Abaeté. A reportagem também perguntou sobre a interdição da obra iniciada em área de proteção permanente (APP). Até a publicação deste texto, o órgão não respondeu à reportagem.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com