url @import ( fonts.googleapis.com/css?family=Oswald );

Na região, comunidade negra trabalhava e se reunia em rodas de samba; a agremiação Camisa Verde e Branco também nasceu no local

Texto: Nataly Simões | Edição e imagem: Pedro Borges

O berço do samba paulista ganhou uma placa em sua homenagem na região do antigo Largo da Banana, na Barra Funda, zona oeste de São Paulo, na quarta-feira (22). O Largo, substituído por um viaduto que liga dois trechos da Avenida Pacaembu, segue presente na memória de quem o conheceu.

O sambista e integrante da velha guarda da escola Camisa Verde e Branco, Mestre Dadinho, foi o escolhido para colocar a placa. Ao Alma Preta, ele afirma que a homenagem é importante para que a juventude conheça a história do Largo da Banana. No início do século 20, a comunidade negra trabalhava na região descarregando mercadorias como banana, arroz e feijão.

“Após o término das tarefas, a comunidade negra realizava uma roda de samba no Largo. Era uma espécie de concentração da população negra na época em que também haviam encontrados de capoeira. Para nós representa uma homenagem a nossa ancestralidade e ficará marcado onde realmente era o Largo da Banana”, conta.

WhatsApp Image 2020 01 24 at 09.03.05

Integrantes da velha guarda da escola Camisa Verde e Branco segurando a placa no local onde ela foi inaugurada. (Foto: Pedro Borges/Alma Preta)

O primeiro cordão carnavalesco paulista foi fundado por Dionísio Barbosa no Largo da Banana e recebeu o nome de Grupo Carnavalesco Barra Funda, que ao longo da história se desenvolveu e hoje é a escola de samba Camisa Verde e Branco.

De acordo com o livro “Escolas de Samba de São Paulo”, do autor Wilson Rodrigues de Moraes, no início eram 12 sambistas vestidos com uma calça branca, uma camisa verde e um chapéu de palha. Eles tocavam pandeiro e chocalho de madeira.

A Camisa Verde e Branco construiu uma história consagrada no samba paulista com importantes nomes como o da família de Inocêncio Mulata, Dona Sinhá, e compositores como Ideval e Talismã. No Carnaval de 2020, a agremiação luta para subir do Grupo de Acesso para o Grupo Especial com um samba-enredo inspirado no músico Carlinhos Brown.

bannerhorizontal

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com

Mais Lidos