fbpx

Estudo realizado com consumidores de todo o país revela também que 18% já tiveram atitude racista

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nataly Simões I Imagem: Fotos Públicas

Um em cada cinco consumidores assumiram que já tiveram, ao menos uma vez, alguma atitude racista, segundo uma pesquisa do Grupo Croma, especializado em inovação e análise de dados. O mesmo estudo também aponta que 56% dos entrevistados acreditam que as empresas têm preconceito ao contratar negros.

A pesquisa ouviu 1.814 pessoas acima de 16 anos em todas as regiões do Brasil a respeito de  diversos aspectos da percepção do racismo. Para 3% dos entrevistados, por exemplo, causa estranheza ser atendido por uma pessoa negra. 

“As pessoas brancas deslocam alguns sentimentos internos para a realidade externa, se isentando de culpa. Assim, elas até reconhecem o racismo como algo errado na sociedade. Por outro lado, não reconhecem que têm preconceitos que contribuem para a consolidação do racismo. Por isso que grande parte entende que as empresas são racistas e uma minoria admite que teve atitudes racistas”, diz a psicóloga Ivani Oliveira,  integrante da organização negra Kilombagem.

O estudo do Grupo Croma avaliou também a imagem que os consumidores têm da mídia e 37% afirmaram que a propaganda no Brasil ainda é racista. Outros 32%, que as marcas presentes no país reproduzem comportamentos preconceituosos.

“A propaganda é elitista e racista. A maior parte dos protagonistas nos anúncios são pessoas brancas e de olhos claros. Às vezes, a marca contrata um protagonista negro, mas na verdade ela não se comunica efetivamente com esse público”, considera a publicitária Esther Vieira.

O resultado da pesquisa também apresenta contradições sobre a percepção que as pessoas têm do racismo no Brasil. Para 70% dos entrevistados, a diversidade deve fazer parte da imagem de marcas e empresas, mas no mesmo grupo de entrevistados 16% concordaram com a afirmação de que as marcas correm riscos ao associar sua imagem a negros.

A realidade do mercado de trabalho no Brasil confirma a percepção dos entrevistados pela Croma. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad),  de 2019, a diferença salarial entre brancos e negros, no geral, é de 45%.  No caso das trabalhadoras negras, no mesmo cargo e com as mesmas funções, a diferença chega a 70% a menos.

bannerhorizontal

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com