fbpx

Texto: Vinicius Martins / Imagem: Black Merda - 1970

Na década de 60, a despeito da crescente apropriação cultural do gênero, a banda Black Merda reafirmava a urgência de resistir diante da tensão racial

A década de 1960 trouxe consigo uma explosão de criatividade para as cenas musicais em diversas partes do globo. Nos EUA e na Inglaterra, a psicodelia dava o rumo para os jovens em meio a Guerra Fria, a Guerra do Vietnã, conflitos raciais americanos, a televisão e os grandes avanços tecnológicos. A criatividade, o posicionamento político firme, a experimentação artística e lisérgica davam o tom na música.  

Para a população negra dos Estados Unidos, a tensão racial chegava ao limite. A negação de cidadania plena aos afroamericanos era reafirmada pelas legislações estaduais do país. A segregação e a atuação da Ku Klux Klan sustentavam atentados, assassinatos e a violência policial. Líderes como Angela Davis, Malcolm X (assassinado em 21 de fevereiro de 1965), Martin Luther King (assassinado em 4 de abril de 1968) e o partido dos Panteras Negras surgiam como resposta e catalisadores da reação negra contra o segregacionismo e o racismo norte-americano.

Nesse contexto, Anthony Hawkins (guitarra/vocal), Veesee L Veasey (baixo/vocal), Charles Hawkins (guitarra/vocal), Tyrone Hite (baterista) formaram em 1968 na cidade de Detroit o Black Merda (pronuncia Black Mur-dah, de Murder) ou Assassinato Negro, em português. O grupo se autoproclamava a primeira banda de rock totalmente negra dos Estados Unidos. Os conflitos raciais e a luta pelos direitos civis tiveram profunda influência em suas músicas e letras.

Na época os relatos de assassinatos de afroamericanos praticados por policiais e pela Ku Klux Klan eram constantes. Em julho de 1967 uma intervenção da policia de Detroit em uma comunidade afroamericana da cidade deu origem a revolta negra que se espalhou pelo país. Em meio aos conflitos, a banda queria um nome e uma sonoridade que representasse a tensão de sua época.

Em 1970, o grupo lançou seu primeiro álbum de estúdio homônimo. Em 11 faixas que misturam funk, jazz, blues, rock e psicodelia e posicionamento efetivo contra o racismo americano, o Black Merda concebeu um dos álbuns mais completos de seu tempo. Algo que eles chamavam de Black Rock, profundamente influenciado pelo som de Jimi Hendrix e Sly and the Family Stone.

O álbum, lançado pela Chess Records (responsável por cuidar de nomes da música negra americana como Muddy Waters, Etta James e Chuck Berry) se destaca pelas guitarras potentes, os conjuntos vocais e o groove psicodélico latente dos anos 70.

A música de abertura Prophet anunciava o grito por liberdade em um período crucial para questionar velhas crenças, sobretudo para a comunidade negra americana. “If you want to be saved we’d better hear you say, set me free” (se você quer ser salvo, é melhor ouvirmos você dizer, ‘me liberte’). Em sequência, a balada Think Of Me acalma os ânimos. Composta apenas de vozes e violão se destaca pela ótima harmonia vocal e a letra de amor inocente.

O ponto alto do álbum aparece com a sequência de Cynth-Ruth, Over and Over, Ashmed e Reality. A mistura de funk, jazz e rock psicodélico não deixa dúvidas quanto ao poder do Black Merda. Cynth-Ruth emplaca uma bateria pesada e riffs de guitarra que remetem à acidez de Jimi Hendrix e ao estilo urbano de blues de Muddy Waters.

Na sequência a instrumental Over and Over funde jazz e funk de maneira impecável, com solos de guitarra reverberados e espaciais. Em Ashmed a banda retoma a pegada de Cynth-Ruth, dessa vez embasada pelo tom político na luta contra a pobreza e o racismo americano.

And people oh people / You think you’re living in harmony
But you stay up in your big house / and turn your back on poverty

You ought to be ashamed / ashamed of yourself”

“E o povo, ah, o povo/ você pensa que eles estão vivendo em harmonia
Mas você permanece em sua casa grande / e vira suas costas para a pobreza


Você deveria se envergonhar / se envergonhar de si mesmo"


A representação de um período difícil continua em Reality. A canção se mostra como um lamento, sem muitas esperanças diante do contexto violento e das estruturas perversas. Eles mencionam os constantes ataques às pessoas que ajudavam a causa racial nos EUA.

You think your country is a great democracy
Well they just killed your priest for helping folks like me”

“Você pensa que seu país é uma grande democracia
Bem, eles apenas mataram o seu padre por ajudar caras como eu


O bloco final do álbum se inicia com Wind Song, um instrumental mais suave e melancólico. Good Luck em sequência se coloca quase como uma oração diante do tempo perverso, para que nada ruim aconteça. Tudo isso acompanhado de guitarras com riffs rasgados, vocais em coro, o groove intenso do baixo e viradas de bateria que lembram a Hendrix Experience.

That’s The Way It Goes e I Don’t Wanna Die se completam. Musicalmente carregam melodias semelhantes. E encerram com a mensagem tranquila e ao mesmo tempo alarmante: “We don’t wanna die” (nós não queremos morrer). A curta conclusão em fade-in e fade-out se mostra na faixa final Set Me Free, apenas vozes e violão questionam de maneira atual: "won’t somebody set me free?" (alguém irá me libertar?).

Apesar de lançado nos anos 70, a discussão feita pelo Black Merda em seu primeiro álbum permanece. O racismo americano persiste, em outros moldes, mas ainda carrega o peso da morte. Em 2015, eclodiram nos EUA dezenas de protestos contra assassinatos de jovens negros pelas polícias americanas. O mais famoso deles na cidade de Baltimore, em Abril.

Para ouvir:
Banda / Black Merda
Álbum / Black Merda
Ano / 1970

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com