Intelectual e símbolo da cultura negra no Brasil, a Rainha Kambinda faleceu no domingo (15); sua trajetória cultural a levou a dar aulas em universidades de renome no Brasil

Texto / Amauri Eugênio Jr.
Imagem / Fora do Eixo

A Rainha Kambinda não está mais entre nós e deixou todos nós órfãos de sua sabedoria e energia. A escritora, folclorista, artista plástica e guardiã do conhecimento artístico e cultural no Brasil Raquel Trindade faleceu aos 81 anos no domingo (15).

Filha do poeta Solano Trindade, a intelectual seguiu os passos do pai e fez de Embu das Artes, cidade situada a menos de 30 km de São Paulo, reduto e o ponto de partida para propagar a sua arte para longe - muito além da capital paulista, inclusive. O Brasil tornou-se ateliê, palco e base para a criação da obra literária.

Ao lado de seu pai, no início dos anos 1950, ela fundou o TPB (Teatro Popular Brasileiro). Após a morte de Solano, o “poeta do povo”, ela criou o Teatro Popular Solano Trindade em sua homenagem.

O legado

Mais do que o entusiasmo com o qual sempre lidou com o conhecimento e a criação artística, Raquel Trindade foi - e sempre será - uma figura inspiradora para ativistas culturais e para a preservação da cultura afro-brasileira.

Se o seu conhecimento e sabedoria serviram como fontes de inspiração para diversos artistas, a sua dedicação e amor pela cultura afro-brasileira foram - e serão - vetores para o ativismo artístico em Embu das Artes, São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, sua cidade natal, e em todas as regiões do Brasil.

Coincidência ou não, ela tornou-se professora na Unicamp e na Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), onde foi responsável pela criação do curso de extensão Identidade Cultural Afro-Brasileira. Além disso, foi fundadora também da Nação Kambinda de Maracatu.

Pelo conjunto da obra, Rainha Kambinda recebeu, em 2007, a Ordem do Mérito Cultural da República, concedida pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

No entanto, ordens de méritos, láureas e títulos de cátedras não dão a dimensão da vida e da obra de Raquel Trindade. Mais do que ser intelectual, ela mostrou que o povo afro-brasileiro pode - e deve - ter orgulho de sua ancestralidade e de sua produção cultural. Mais do que isso: tem todo o direito de resistir e combater o racismo, inclusive em âmbito cultural.

Raquel Trindade pode não estar mais presente entre nós. Mas o seu legado estará eternamente por aqui.

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
contato(@)almapreta.com

Mais Lidos