fbpx

Ato reuniu cerca de mil pessoas e pautou queda do presidente Bolsonaro; próximo protesto terá ato ecumênico

Texto: Pedro Borges e Guilherme Soares Dias | Imagem: Pedro Borges

Uma nova manifestação antirracismo ocorreu neste domingo (28) na Avenida Paulista, em São Paulo, reunindo torcidas organizadas, movimentos negros, de mulheres, da periferia, pró-Palestina e partidos políticos de esquerda. Cerca de mil pessoas acompanharam o ato que também fazia a defesa da democracia e pedia a queda do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Apesar de ter menos pessoas, segundo os organizadores, o protesto faz parte de um processo importante de continuidade dos movimentos nas ruas.

“É um protesto pelo descaso do governo. Ter movimentos sociais, que representam os pretos, é uma forma uma união para acabar com esse governo nefasto. Somos democracia é um guarda-chuva que tem como foco discutir os problemas de toda a sociedade”, diz Alex Minduim, presidente da Associação Nacional das Torcidas Organizadas, referindo-se ao dia do Orgulho LGBTQIA+, que foi lembrado de maneira tímida durante o ato.

Minduim destaca que as torcidas organizadas também passam por violência nos dias de jogos. “O foco da mídia é sempre falar da pequena parcela que se envolve em atos violentos, não as pessoas que sofrem violência dentro e fora do estádio”, ressalta. Já Danilo Pássaro, coordenador do movimento Somos Democracia, da torcida organizada Gaviões da Fiel, do Corinthians, lembra que é importante os movimentos sociais se manterem nas ruas. “Essa é a primeira vez que as bases bolsonaristas tem se mantido na defensiva. Agora, são os grupos evangélicos que tem mantido o governo por ter projeto de poder contra o estado laico, por isso, vamos fazer um ato ecumênico”, ressalta.

De acordo com Pássaro, o atual governo “roubou os direitos e a possibilidade de estar na rua, por isso, a importância de defender o povo brasileiro”. Entre os manifestantes estava o aposentado Elias Geraldo Costa Rosa, que ressaltou a importância de falar por pessoas que morreram assassinados. “O presidente só pensa nele a na família dele. Precisamos lutar pelos nossos”, ressalta ele, que é figura frequente nos atos e segurava um cartaz em inglês dizendo que "tem sonho de um mundo sem racismo e com respeito à mulheres e crianças". Alguns manifestantes seguravam desenhos com rostos de crianças negras que foram assassinadas pela polícia nos últimos meses. Líderes do Partido da Causa Operária (PCO) empunhavam bandeiras, contrariando a organização do evento de não partidarizar o movimento.

A maior parte dos participantes usavam máscaras para prevenir a disseminação da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Antes de começar a manifestação, a Polícia Militar orientou os líderes das torcidas organizadas. Apenas uma das vias da Avenida Paulista foi fechada e o ato manteve-se em frente ao Museu de Arte de São Paulo (Masp), onde começou. A manifestação começou às 14h e terminou às 16h, sem incidentes. O próximo ato deve ocorrer em 12 de julho com a realização de um ato ecumênico, reunindo líderes da igreja católica, mulçumanos, evangélicos e religiões de matriz africana. No dia 25 de julho, quando é lembrado o dia da Mulher Negra, Latino-Americana e Caribenha, deve se repetir.

Esse é o quinto protesto consecutivo pelo fim do racismo, que ocorrem a cada domingo em São Paulo. Na semana passada (21), o protesto começou na Praça Franklin Roosevelt, Bela Vista, região central, além de Brasília. O ato em São Paulo seria na avenida Paulista, mas os manifestantes precisaram mudar o local em razão de uma decisão judicial que implicaria multa nos participantes. No dia 14, o ato ocorreu na Avenida Paulista e reuniu cerca de 2 mil pessoas. A maior manifestação foi em 7 de junho, quando o Largo da Batata, em Pinheiros, recebeu atos contra o racismo e em defesa da democracia. A primeira manifestação ocorreu na Avenida Paulista em 31 de maio. 

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com