fbpx
 

O Alma Preta visitou três terreiros do extremo sul de São Paulo para entender a relação da religião com o meio ambiente, e como o desmatamento, e a especulação imobiliária afetam esse culto

Texto / Thalyta Martins
Imagem / Léu Britto

Há algum tempo é possível observar nos meios de comunicação, na fila do supermercado, no ônibus ou na sala de casa, alguns debates sobre desmatamento na Amazônia, mudanças climáticas, meio ambiente, saúde dos rios e mares, acesso ao saneamento básico e impacto das indústrias e seus combustíveis fósseis na atmosfera.

É fato irrefutável que as ações humanas sobre a natureza e, também, o consumo desenfreado estão acabando com os meios naturais de fornecimento de água, alimento, ar e terra. No entanto, algumas pessoas, coletivos ou empresas, mobilizam-se contra essa visão que acredita que pelo desenvolvimento econômico, “os meios justificam o fim”, e propõem uma sociedade menos agressiva com o meio ambiente.

Mas há também aqueles povos que sempre tiveram essa preocupação e atentaram-se em causar o menor impacto possível na natureza e lutar pela preservação dos ecossistemas por compreender que, sem eles, nada seria da humanidade. Exemplos são os povos indígenas, que diariamente lutam pelo direito de preservarem seus espaços e sua cultura; e as religiões de matriz africana, que têm em sua essência o cuidado com o meio ambiente e o culto utilizando a folha.

Na semana do dia 10 de junho, o Alma Preta visitou três terreiros na região de Parelheiros, extremo sul de São Paulo, com o fotógrafo Léu Britto, do DiCampana Foto Coletivo, para entender um pouco dessa relação de sacralidade dos religiosos com o meio ambiente.

“A folha é o fundamento”

A primeira Casa visitada por nós foi a Ilê Asé Oni Ona, do Pai Paulinho e da Mãe Janaina. Ela funciona desde abril de 2018 e 16 pessoas frequentam o local religiosamente, segundo ele. A Casa está firmada na Estrada da Ponte Seca, no Bairro Marsilac, Distrito de Parelheiros, extremo Sul de São Paulo.

Segundo o Pai da casa, a folha é o fundamento. “Não se faz Orixá, não se cultua o Orixá sem folha. Folha é tudo!”.

Na propriedade que está em processo de construção, ele afirma que houve a preocupação de afetar menos possível o meio ambiente.

“Muitas oferendas são feitas dentro do roncó, o quarto onde ficam os assentamentos dos Orixás. Mas tem muita oferenda que a gente faz na rua, da porta pra fora. Eu sempre falo para os meus filhos que o que puder substituir por material biodegradável, é melhor. Por exemplo, vai fazer um acarajé para Iansã e vai entregar no pé do bambuzal. Aí ao invés de entregar com um alguidar [vasilha] de barro, a gente substitui por folha de mamona.”

Ele também falou que as fossas são de cimento, para que não haja contaminação da terra e da água ao redor. Até o momento, 20% do terreno onde está a casa foi utilizado. Pai Paulinho nos disse como funciona a compensação e a recuperação ambiental dentro do espaço onde fica o Ilê, apontando para árvores que foram replantadas e a plantação de novas espécies. Lá mesmo, ele e sua família colhem para os rituais e cultos a Aroeira, o Peregun, o Xaxim, a Bromélia e pegam também a Ota, uma pedra que é possível encontrar na água.

corpopaulinho

Pai Paulinho nos recebeu no Ilê acompanhado de sua esposa, Mãe Janaina, a filha Bia e o filho mais velho, Gui, que estava dormindo (Foto: Léu Britto)

O Pai falou que, apesar da distância, do difícil acesso por ônibus e a falta de infraestrutura necessária de qualidade para a convivência humana, como energia, água encanada, internet e asfalto, ele gosta do lugar.

“Aqui você não escuta nada. Só o trem e, de vez em quando, o tucano, que vem comer o Obará, que é um assentamento feito com frutas muito ligado à Oxossi. Quando a gente renova o Obará, vem tucanos e papagaios do mato para comer… Aí é axé pra gente, mostra que foi aceito.”

“A natureza é o nosso Deus”

A segunda casa que nos recebeu foi o Asé Ylê Hozooane, do Sacerdote Luiz Antonio Katulemburange Amorim, da Nação de Angola. Ela funciona desde 1980 também em Parelheiros.

“Quando chegamos aqui, éramos nós e quase ninguém”, afirmou o Pai, que recebeu o Alma Preta e o DiCampana Foto Coletivo para um tour pelo terreiro e uma conversa sobre os Orixás, sobre enfrentamento e resistência aos intolerantes.

De acordo com ele, “Oxum, dona da família, da fertilidade, é, naturalmente, padroeira de Parelheiros, porque ela é dona da água doce, e ⅓ de toda água que São Paulo bebe sai daqui, de Parelheiros.”

corpokatu

Sacerdote Katulemburange na sua sala de atendimento (Foto: Léu Britto)

Ele nos disse que é muito importante para o Candomblé ter natureza por perto e ressaltou a importância do espaço próprio em Parelheiros.

“Candomblé precisa do chão, porque tem muita coisa que é plantada.”

Apontando para os espaços verdes, ele disse que está perto de tudo o que ele precisa para continuar o seu culto: cachoeira, mato, “tudo”!

“A folha é tudo, sem folha não existe Orixá! É o nosso sangue verde! Nós somos como os índios: a gente vive a natureza, a natureza é o nosso Deus!”

“Se não tiver natureza, não tem como ser Candomblé”

Para fechar o dia, Mãe Mona Deuy nos recebeu em seu Ilê N'zo Maza Sakula, parte da casa da família desde 1978, ano em que ela, seu marido e os três filhos mudaram-se para Parelheiros. Segundo ela, a chegada das pessoas trouxe infraestrutura e melhorou a convivência humana, mas, ao mesmo tempo, tirou um pouco da liberdade de culto.

“Quando eu mudei tinha umas três, quatro casas. A gente se sentia mais à vontade, em termos da prática da religião. A nossa religião é muito boa, mas muito mal vista, né? Tem pessoas que não entendem, que fazem questão de não entender.”

corpomona

Mãe Mona Deuy dentro do seu Ilê (Foto: Léu Britto)

Ela expôs ao Alma Preta a tristeza por saber de certos impedimentos para o culto religioso por meio das oferendas. Segundo ela, impedir alguém de colocar sua oferenda na natureza para os Orixás é um ataque direto à religião.

“A natureza é o lugar onde a gente faz as nossas oferendas, os nossos despachos. Ali pra frente temos bastante mato, mas eu acho um pouco difícil [concretizar as ações], porque mesmo quando a gente não entra com animais, entra com oferendas simples, às vezes não deixam por. Mas a gente sempre dá um jeito! Ficar sem fazer as nossas coisas a gente não fica!”

De acordo com ela, sem natureza não existe o Candomblé. Plantas como Alecrim, Colônia, Folha da Costa, Folha da Fortuna, Manjericão, Nega Nina, Oripepe, Poejo e Sangue Lavou são usadas em rituais.

"A natureza é tudo para o Candomblé. É da natureza que a gente retira as folhas sagradas e a energia. Se não tiver não tem como ser! Faz parte!"

Parelheiros

Parelheiros é um distrito localizado no extremo Sul de São Paulo, uma área de manancial que produz água potável para a metrópole. É lá que está o único rio limpo da cidade, o Rio Capivari. Além disso, é uma área de Mata Atlântica que abriga comunidades tradicionais indígenas, comunidades de produtores orgânicos de alimentos e comunidades afrobrasileiras.

De acordo com Jaison Pongiluppi Lara, do Coletivo Imargem, educador e permacultor da Casa Ecoativa, essa área é protegida por leis ambientais, na teoria, mas, na prática, sofre com o descaso do poder público e a especulação imobiliária.

Pai Paulinho confirma: “Aqui tem uma represa, a Capivari Mono, que está praticamente jogado às traças. Você não vê um carro da Sabesp aqui. Tem locais que a administração pública poderia dar um pouco mais de atenção porque aqui é a mina de água.”

Jaison disse que, mesmo o extremo Sul sendo um espaço de interesse da cidade por produzir cultura, alimento, ar, água, recursos e bens materiais para convivência das pessoas na cidade, há uma falta de políticas efetivas para a região.

“É um lugar que tem essas riquezas, mas está fragilizado perante o olhar do poder público. As pessoas têm que se organizar de outros jeitos para tentar fazer uma contranarrativa e lutar contra esse processo capitalista e as desigualdades sociais que assolam principalmente a população da periferia", afirmou.

corpovista

Vista do Ilê Asé Oni Ona, no Bairro Engenheiro Marsilac, Parelheiros (Foto: Léu Britto)

Ele também citou a tentativa de implementação de um aeroporto no distrito. “É uma face dessa especulação imobiliária. Com certeza o maior impactado nisso tudo é o ciclo natural, o meio ambiente. Hoje a gente tem uma parcela mínima de Mata Atlântica, do que era originalmente. O meio ambiente não são só as árvores, também tem as pessoas, os saberes populares, tudo isso é afetado.”

Confira o álbum de fotos no Facebook.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com