fbpx

Vídeos mostram o momento em que as vítimas, de 18 e 20 anos, foram abordadas pelos policiais militares, que estão presos; imagens contradizem a versão dos PMs

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nataly Simões I Imagem: Acervo Pessoal

O cabo Julio Cesar e o soldado Jorge Luiz, ambos da Polícia Militar do Rio de Janeiro, foram presos pela Polícia Civil acusados de executar os jovens negros Edson Aguinez, de 20 anos, e Jorge Luiz, de 18 anos, no sábado (12), em Belford Roxo, na Baixada Fluminense (RJ).

De acordo com a Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense, as armas dos dois policiais foram apreendidas para perícia técnica. Vídeos divulgados no programa Fantástico, da Rede Globo, contradizem a versão dos policiais presos.

Nas imagens, os jovens passam de moto e um dos policiais atira e derruba os dois. No chão, um policial dá um chute nas costas de um dos rapazes, que usava camiseta vermelha e bermuda branca. O PM leva um dos baleados, de camisa azul e que dirigia a moto, para o outro lado da rua, enquanto a outra vítima se arrasta na rua.

Também é possível ver quando os policiais algemam os dois, colocam na viatura e vão embora. Os corpos dos dois rapazes foram encontrados perto de um matagal.

A versão dos policiais é a de que os dois jovens caíram após perder o controle da moto e que não houve nenhum disparo. Ainda segundo o relato dos policiais acusados do duplo homicídio, as vítimas tinham sido liberadas com vida, após cerca de 40 minutos, porque nem eles e nem a moto "tinham problema”.

Jordan e Edson voltavam de um churrasco no momento em que foram mortos. As famílias os enterraram na tarde desta segunda-feira (14) A família identificou Edson como o rapaz de camisa azul e bermuda jeans e Jordan o de camisa vermelha e bermuda branca.

Em nota, a Secretaria de Estado da Polícia Militar do Rio de Janeiro informou que, após ter acesso às imagens, os PMs presos tiveram uma conduta "não condizente com os padrões da instituição".

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com