fbpx

O debate e a sessão de autógrafos com o autor Rodrigo Portela Gomes acontece na Faculdade de Direito, nesta quarta-feira

Texto | Redação / Imagem | Antônio Silva/Agência Pará

Nesta quarta-feira, 26, acontece o lançamento de “Constitucionalismo e Quilombos: famílias negras no enfrentamento ao racismo de Estado”, livro de autoria do professor Rodrigo Portela Gomes. O evento será no Auditório da Faculdade de Direito da Universidade de Brasília (FD/UnB), às 19h.

A obra de Gomes apresenta, por meio de um estudo de caso, as dinâmicas raciais do conflito com comunidades quilombolas no Piauí e as estratégias de famílias negras para enfrentar o racismo de Estado.

A partir da trajetória dessas comunidades, reposiciona o quilombo como movimento constitucional e retira das mãos brancas o domínio sobre a história de luta por direitos no Brasil, pois, o apagamento da disputa constitucional pelos quilombos, impacta, no presente, na afirmação ou negação de seus direitos.

De acordo com Menelick de Carvalho Netto, professor associado da FD/UnB, o livro “torna visíveis e revela inaceitáveis as exclusões vividas pelas comunidades quilombolas no Piauí. A obra renova um olhar sobre o passado, mas também sinaliza a luta pela construção de novas possibilidades de futuro”, afirma.

Para o autor, materializar sua pesquisa de mestrado em livro é uma forma de ampliar o alcance do debate. “Com a obra, percebemos no quilombo uma experiência do presente. A existência quilombola é um contínuo histórico que, no passado e no presente, tem agenciado estratégias de manutenção dos seus modos de viver, fazer e criar, enfim, estão (re) existindo”, analisa. “Outro ponto é o fato de os quilombolas terem constantemente suas vidas ameaçadas. São inúmeras situações de violações de direitos ao longo do conflito narradas no texto”, comenta o autor.

Depois de Brasília, “Constitucionalismo e Quilombos: famílias negras no enfrentamento ao racismo de Estado” será lançado em Teresina (PI), em 12 de julho.

“Não é apenas uma história de dor e violência. É uma narrativa de famílias negras que por meio dos vínculos constituídos com o seu território e por laços familiares estão enfrentando o racismo do estado brasileiro”, finaliza..

Serviço
Lançamento do livro “Constitucionalismo e Quilombos: famílias negras no enfrentamento ao racismo de Estado”
Dia 26 de junho, às 19h, no Auditório da Faculdade de Direito da Universidade de Brasília (Campus Darcy Ribeiro).
Entrada franca.| Classificação indicativa livre.

O livro também está disponível para compra neste link. 

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com