fbpx

Grupos do movimento negro organizam uma rifa de livros e disponibilizam uma conta para depósito; o objetivo é garantir um ônibus cheio de São Paulo para Ribeirão Preto durante a próxima audiência de instrução e julgamento, que ocorre no dia 7 de Fevereiro

Texto / Pedro Borges
Imagem / Pedro Borges

Organizações do movimento negro e de mulheres têm se mobilizado para angariar fundos para a quinta audiência de instrução e julgamento de Luana Barbosa, no dia 7 de Fevereiro, no fórum de justiça de Ribeirão Preto, Rua Alice Aleem Saad, n° 1010.

Os manifestantes organizam duas campanhas de arrecadação de fundos para financiar o aluguel de um ônibus de São Paulo para Ribeirão Preto na data da próxima audiência. Uma delas é articulada pela coletiva Luana Barbosa, que disponibiliza uma conta para depósito.

A outra é pensada pela União dos Coletivos Pan-Africanistas (UCPA) e o grupo Nenhuma Luana a Menos, que construíram uma rifa de R$ 5,00 para o sorteio das obras “Lélia Gonzalez: Primavera para as Rosas Negras” e “Beatriz Nascimento: Possibilidades nos dias da destruição”.

O protesto em frente ao fórum serve como memória aos 3 anos do crime e como forma de pressionar a justiça para levar os policiais envolvidos no caso para júri popular.

“Acreditamos que um número expressivo de pessoas nesse dia é uma forma de mostrar apoio aos familiares de Luana e é, também, um meio necessário para tornar evidente que o assassinato de Luana não foi e nem será esquecido”, diz o texto de convocação do ato.

Luana Barbosa foi espancada pelos policiais Douglas Luiz de Paula, André Donizete Camilo e Fábio Donizeti Pultz, em Abril de 2016. Segundo o Instituto Médico Legal (IML), a jovem perdeu a vida por conta de isquemia cerebral e traumatismo crânio-encefálico, resultado do espancamento sofrido.

Depois de ouvidas as testemunhas dos policiais que ainda precisam dar depoimento, a juíza Martha Rodrigues Moreira tomará uma decisão sobre o caso. A expectativa da família é que os policiais sejam levados para júri popular, sob acusação de homicídio doloso, quando há intenção de matar.

Serviço:

Rifa

Para participar da Rifa, entre em contato o telefone: (11) 99281 2163
Livros: “Lélia Gonzalez: Primavera para as rosas negras” e “Beatriz Nascimento: Possibilidade nos dias da destruição”
Valor: R$ 5,00

Doação

Ag: 1449-4
Conta corrente: 0047113-5
Bradesco
CPF: 374.185.078-01
Nome: Fernanda Gomes de Almeida

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com