fbpx

Movimento Amplia e Pretos no Enem receberam milhares de inscrições de pessoas dispostas a pagar a inscrição dos alunos; Amplia lança agora uma segunda campanha para auxiliar no preparo até o exame

 Texto: Beatriz Mazzei | Edição: Nataly Simões | Imagem: Mariana Leal/MEC

De forma auto organizada e com apoio de voluntários, as iniciativas Movimento Amplia e Pretos no Enem garantiram o pagamento da inscrição de 506 estudantes negros no maior vestibular do país, o Exame Nacional do Ensino Médio.

O Movimento Amplia, que também destinou a campanha a estudantes indígenas, alcançou 52 mil pessoas dispostas a ajudar financeiramente nas cinco regiões do Brasil. Ao todo, os “padrinhos” e “madrinhas”, como são chamados os apoiadores, pagaram efetivamente R$ 10 mil em boletos, auxiliando todos os 120 alunos que enviaram boletos ao movimento. Entre os estudantes, 93% são negros e 77% são mulheres. A raça foi autodeclarada pelos próprios candidatos via relatório.

Com alcance em todas as regiões do país, 53% dos beneficiados são do Sudeste e 31% do Nordeste. O auxílio chegou em todos os estados brasileiros, tendo maior percentual de alunos no Rio de Janeiro (24%), Bahia (16%) e São Paulo (13%).

Dos estudantes que receberam a ajuda, seis em cada 10 têm entre 15 e 20 anos. É o caso de Trinity, de 17 anos, moradora de Ermelino Matarazzo, na periferia da Zona Leste de São Paulo. “Com a pandemia as coisas apertaram aqui em casa. Minha irmã foi demitida e só minha mãe está sustentando a casa, então pagar a taxa não se tornou viável e nem uma prioridade”, conta a aluna, que pretende cursar Ciências Sociais.

De acordo com o idealizador do Movimento Amplia, o professor Cristiano Ferraz, entrar em contato com os alunos que precisavam da ajuda financeira foi a parte mais complicada do processo. “Essas ações viralizaram na internet dentro de bolhas, então foi muito difícil alcançar o estudante de periferia que tem um acesso precário à internet”, relata. Para isso, o movimento contou com o apoio de organizações e cursinhos populares com acesso direto aos alunos.

Segundo o Anuário Brasileiro de Educação Básica de 2019, 70 milhões de pessoas não possuem internet de qualidade em todo o país e mais de 42 milhões nunca tiveram acesso à rede.

O Pretos no Enem, outra iniciativa com o mesmo propósito, conseguiu ajudar todos os alunos que entraram em contato via formulário, garantindo a inscrição de 386 inscritos. O movimento começou a partir de um tweet da publicitária Lyara Vidal se prontificando a pagar o boleto de estudantes negros no exame. A iniciativa chamou atenção do podcaster Luan Alencar. Juntos, os dois mobilizaram voluntários para coordenar a ação.

Com ações antirracistas, ambos os projetos promoveram a ponte entre alunos negros e indígenas que não puderam pagar os boletos e os interessados em financiar. Sem envolver transferência bancária, toda a comunicação foi feita a partir do preenchimento de formulários com informações de contato e de quantas taxas poderiam pagar. Em um segundo momento, os voluntários dos movimentos enviaram os boletos dos estudantes para os “padrinhos” e “madrinhas”. Após o pagamento, os comprovantes foram encaminhados para os alunos.

As duas iniciativas começaram após adiamento do prazo de inscrição do Enem. Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), cerca de 300 mil candidatos inscritos não haviam pago a inscrição até o dia 2 de junho, o que levou a prorrogação da data limite para 10 de junho.

Próximos passos

Empolgados com a base de 52 mil apoiadores dispostos a pagar as inscrições, o Movimento Amplia lançou uma segunda campanha com ação mais prolongada. O “Siga Firme” tem como objetivo ajudar os estudantes que já foram beneficiados a se prepararem para a prova.

“Garantimos a inscrição, mas a gente sabe que infelizmente essa não é a única barreira que o estudante vai enfrentar para conseguir prestar o Enem e ingressar no Ensino Superior”, explica Cristiano.

Com isso, o programa focará nas demandas relacionadas ao acesso à internet, alimentação adequada e transporte para a realização do exame. Os apoiadores poderão contribuir com a adesão de diferentes pacotes que garantem benefícios que vão desde auxílio-alimentação e acesso à internet até mentoria, tutoria e materiais didáticos.

O Enem, que ocorreria em novembro, foi adiado após críticas de diversas entidades estudantis acerca da manutenção da data. De acordo com essas instituições, manter a data nesse contexto de isolamento social dificultaria a preparação dos alunos, que estão sem aulas presenciais.

Outro ponto colocado para defender o adiamento é o aumento das disparidades entre alunos com fácil acesso à internet e boas condições de home scholling e alunos periféricos com dificuldades em relação à qualidade da internet e rotina de estudos em casa.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com