fbpx

Para Coalização Negra Por Direitos, a responsabilização pelo crime não deve ser apenas dos dois seguranças terceirizados e que tiveram a prisão decretada

Texto / Nataly Simões | Edição / Pedro Borges | Imagem / Reprodução

A Coalizão Negra Por Direitos, composta por organizações da sociedade civil de atuação social e política em defesa da vida e dos direitos da população negra e periférica, protocolou no Ministério Público um pedido para que a rede de supermercados Ricoy seja responsabilizada pelo caso de um adolescente negro torturado dentro da unidade da Vila Joaniza, na Zona Sul da cidade de São Paulo.

O documento enviado ao Procurador Geral do Estado de São Paulo, Gianpaolo Poggio Smanio, defende a importância de a rede de supermercados responder judicialmente pela violência submetida ao jovem e pelas imagens veiculadas nas redes sociais.

“Destacamos que o crime foi praticado dentro das dependências do supermercado ora representado, sob os olhares de seus funcionários e gerentes, fato que demonstra a conivência e responsabilidade da tomadora de serviços”, diz a carta.

Ainda segundo o documento, o Estado não pode ignorar o “conteúdo simbólico de, no ano de 2019, 131 anos após a abolição da escravatura, um jovem negro ser amordaçado e chicoteado com as mãos amarradas por dois seguranças particulares, sem nenhuma oportunidade de defesa”.

Na quarta-feira, dia 4 de setembro, a Justiça de São Paulo decretou a prisão dos dois seguranças que torturaram o adolescente em uma sala do estabelecimento. A rede de supermercados ainda não foi autuada.

A Coalizão Negra Por Direitos lembra que o governo brasileiro dispõe de várias ferramentas legais internacionais para tratar sobre crimes como o ocorrido no supermercado Ricoy. O movimento cita no documento, enviado à Procuradoria Geral do Estado de São Paulo, a Convenção Interamericana Para Prevenir e Punir a Tortura e a Convenção das Nações Unidas Contra a Tortura e Outros Tratamentos ou Penas Cruéis, Desumanos ou Degradantes.

As convenções estabelecem que o Estado deve ter uma atuação completa para a erradicação da tortura, incluindo a investigação criminal, a reparação individual e constantes evoluções institucionais.

Depois da repercussão do vídeo que mostra o adolescente de 17 anos chicoteado pelos seguranças, outros casos surgiram envolvendo a mesma rede varejista. O site Brasil de Fato divulgou fotos de um homem amarrado e açoitado e um vídeo de uma criança que sofre tortura psicológica. Nas imagens é possível identificar o logo do supermercado Ricoy.

Entenda o caso

Um vídeo de 40 segundos divulgado nas redes sociais mostra um adolescente negro, de 17 anos, chicoteado por dois seguranças dentro de uma unidade da rede de supermercados Ricoy. O estabelecimento fica na avenida Yervant Kissajikian, na Vila Joaniza, bairro da Zona Sul da capital paulista.

As imagens mostram o jovem amordaçado e nu em uma sala pequena entre caixas e sacos de verdura. O adolescente é chicoteado nas costas e se contorce de dor a cada golpe recebido.

Após a repercussão do vídeo, na segunda-feira, dia 2 de setembro, a Polícia Militar abriu um inquérito para investigar o caso. Segundo o boletim de ocorrência, o adolescente diz que foi torturado porque furtou barras de chocolate do supermercado. O espancamento durou cerca de 40 minutos.

O jovem vive em situação de rua desde os 12 anos e também contou em seu depoimento ter ouvido um dos funcionários dizer que se ele o denunciasse iria matá-lo.

De acordo com o delegado Pedro Luis de Sousa, o vazamento do vídeo seria um “recado” para eventuais praticantes de furtos no supermercado. Os gerentes do estabelecimento e o proprietário ainda serão ouvidos pela polícia. O objetivo é saber se houve conivência com as agressões sofridas pelo adolescente.

Em comunicado, a rede de supermercados Ricoy disse que os seguranças eram funcionários de uma empresa terceirizada. O Conselho Tutelar da Cidade Ademar, bairro também da Zona Sul, acompanha o caso e deve buscar assistência psicológica à vítima.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com