fbpx

Manifestação, com mais de 4h, foi organizada pela Coalizão Negra por Direitos e contou com a participação dos familiares de João Pedro Matos

Texto / Pedro Borges I Imagem / Reprodução

Cerca de 150 organizações do movimento negro e de favelas articularam uma manifestação em solidariedade e como forma de denúncia ao assassinato de João Pedro Matos, jovem negro morto durante operação policial em São Gonçalo, no Rio de Janeiro, no dia 18 de maio.

A manifestação, construída pela Coalizão Negra por Direitos e movimentos de favelas do Rio de Janeiro, contou com a participação dos familiares de João Pedro Matos. No início da transmissão, Neilton Pinto, pai do adolescente, agradeceu a solidariedade e relatou as dificuldades do momento vivido.

“É um momento difícil, que eu não desejo para ninguém. Perder um filho é como perder a própria vida. Nós sabemos que o estado é falido, porque entraram dentro de um quintal e tiraram a vida de um menino de 14 anos. A gente espera por justiça e quer que ela seja feita no nosso país”, afirmou.

João Pedro Matos brincava no quintal de um tio, quando foi baleado durante operação da Polícia Civil e Polícia Federal. Enquanto a família alega que o adolescente foi atingido pelos policiais, os agentes de segurança dizem que o disparo ocorreu depois de uma troca de tiros com criminosos. A Polícia Civil identificou que o calibre da arma que matou João Pedro Matos é 5,56, o mesmo utilizado pela corporação.

A manifestação online contou com a participação de organizações de todo o país, segundo Rafael Miranda, integrante da Coalizão Negra por Direitos. “Foi uma construção a muitas mãos, e não foi uma construção só do Rio de Janeiro, mas foi uma articulação nacional”.

A dificuldade de acesso a internet, realidade de periferias do país, não foi uma barreira determinante para a construção do ato, conta Paola Belchior, integrante do Coletivo Massa, do bairro da Penha, cidade do Rio de Janeiro. “Muito importante estarmos juntos em momentos de justiça. O mais importante é ressaltar como a gente conseguiu se organizar em meio a tantas desigualdades, inclusive na área das tecnologias. O aquilombamento acontece independente das estruturas”.

O ato online foi transmitido pela página da Coalizão Negra por Direitos, das 18h às 22h, e replicada em 82 páginas de Facebook e no Youtube da Coalizão. De acordo com os organizadores, foram 1 mil compartilhamentos, 1 mil curtidas, 47 mil visualizações, 100 mil pessoas alcançadas.

Simone Nascimento, integrante do Movimento Negro Unificado (MNU) e uma das articuladoras do ato, acredita que o houve uma grande mobilização por parte da sociedade civil, com o objetivo de denunciar a violência sistemática contra jovens negros.

“Nesses dias duros de pandemia para o nosso povo, além das perdas para doença estão crescentes as nossas perdas para o Estado. Conseguimos unir diversas iniciativas do Rio de Janeiro e de todo Brasil, para esse grande ato on-line, por João Pedro e por todos os jovens negros vítimas do Estado brasileiro. Foi muito potente. Em poucos dias conseguimos envolver organizações de todo o país nessa ação, construída por muitas mãos”.

Outro organizador, Douglas Belchior, Uneafro Brasil e Coalizão Negra por Direitos, reitera a importância do ato. “Solidariedade, empatia e revolta são matéria prima para toda luta por justiça. Não podemos aceitar que famílias negras continuem a ser despedaçados pela brutalidade policial, pela violência do estado e por um genocídio que nunca termina. O ato de ontem foi uma expressão de amor e revolta. Amor pela família de João Pedro e todas atingidas pela violência. E revolta contra o Estado, seus governos e suas polícias assassinas”.

O protesto foi impulsionado por um texto manifesto, assinado por 1.200 organizações. O documento e a denúncia do assassinato de João Pedro Pinto foram enviados para órgãos de fiscalização da atividade policial, como o Ministério Público do Rio de Janeiro, a Corregedoria da PM-RJ, e também para o Comando Geral da PM, a Secretaria de Segurança Pública e o Governador do estado do Rio de Janeiro.

A denúncia também foi direcionada para a Comissão Interamericana de Direitos Humanos, órgão vinculado à Organização dos Estados Americanos (OEA), como forma de pressionar a investigação do caso no âmbito internacional.

Renato Noguera, professor de filosofia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), ressalta a importância do ato, enquanto forma de denúncia de um projeto sistemático de morte de jovens negros.

“Entendo que o ato de luto e luta por João Pedro é fundamental não só pela morte do João Pedro, mas por todas mortes que aconteceram antes e depois, por uma necropolítica e política de segurança pública equivocada que tem matado jovens negros em todas regiões do país”.

Ele acredita que a partir de manifestações como essa, é possível planejar diferentes políticas na área da segurança pública. “P potencial maior do ato é da gente poder chorar pela morte desse jovem, mas também que a gente possa construir políticas públicas antirracistas na área da segurança pública do país. Não é possível assinar essa ideia de combater a violência com a morte sistemática de jovens negros”, completa.

Investigações do caso

A Corregedoria da Polícia Civil instaurou uma sindicância interna e três policiais, envolvidos na operação, foram afastados e fazem serviços administrativos na corporação. A Polícia Federal também anunciou a abertura de uma sindicância interna, para averiguar os fatos.

A Polícia Civil do Rio de Janeiro quer fazer uma simulação do caso, com a garantia de participação do Grupo de Atuação Especializada em Segurança Pública do Ministério Público e a Defensoria Pública poderão. O objetivo é o de encontrar os responsáveis pelo disparo que tirou a vida de João Pedro Matos.

A investigação do caso localizou cerca de 70 marcas de tiros nas paredes da casa onde João Pedro Matos brincava.

O Ministério Público, em nota divulgada no dia 25 de maio, pediu que as operações da Polícia Federal sejam realizadas apenas em casos de extrema urgência. A Defensoria Pública, órgão responsável por representar a família, pede investigação por parte do Ministério Público.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com