fbpx

Definidos como prioridade no Plano do governo federal e do estado de São Paulo, não há previsão de quando o grupo será imunizado contra o coronavírus

Texto: Caroline Nunes | Edição: Nataly Simões | Imagem: Fabio Vieira/FotoRua

As pessoas que vivem em situação de rua estão classificadas como grupo de risco no Plano Nacional de Imunização e na agenda estadual de São Paulo para a vacinação contra o coronavírus. Entretanto, nenhum das duas estâncias inseriram essa parcela da população como prioritária na primeira fase da imunização contra a doença.

O Plano Nacional classifica os moradores de rua como “Grupo com Elevada Vulnerabilidade Social”, juntamente com os refugiados, pessoas com deficiência, indivíduos com liberdade privada e/ou que residam em más condições de habitação. Embora considerado como grupo prioritário para ser vacinado, assim como os quilombolas, indígenas, trabalhadores da área da saúde, idosos e pessoas com comorbidades, ainda não há data prevista para a imunização.

Já o Plano Estadual de Imunização do Estado de São Paulo prevê o início da campanha de vacinação para o dia 25 de janeiro e considera os moradores de rua como grupo prioritário, no entanto, os primeiros a serem vacinados serão os trabalhadores da área da saúde, quilombolas e indígenas. Depois disso, a imunização ocorrerá por faixa etária, dos mais velhos aos mais novos.

Segundo o Censo de 2020 da População em Situação de Rua da cidade de São Paulo, mais de 80% das pessoas que vivem nas ruas têm, em média, de 35 a 41 anos. Isso significa que se esse grupo for vacinado seguindo a ordem de idade – do mais velho ao mais jovem – não existe data prevista para a imunização, principalmente na primeira fase da campanha, que termina com a segunda dose para pessoas com 60 a 64 anos, em 22 de março.

Para Manoel Torquato, secretário nacional da Rede Criança Não é de Rua, sobram critérios para que os moradores de rua sejam considerados prioridade na agenda de vacinação. “Não temos a crença de que essa população será contemplada por algum critério de priorização, mas critérios não faltam. O próprio fato da sua alta exposição a esse vírus deveria ser critério por excelência para colocá-los entre os grupos prioritários a receber a vacina, mas nós sabemos que isso dificilmente vai acontecer”, conta Torquato, que também é  coordenador de projetos da associação O Pequeno Nazareno e  representante do Brasil na Rede Internacional por la Defensa de la Infancia y Adolescencia en Situacion de Calle.

A Prefeitura de São Paulo estima que somente na capital, em média, 300 pessoas em situação de rua foram infectadas pelo novo coronavírus entre abril e agosto passados e 30 dessas pessoas morreram em decorrência das complicações da doença. Segundo o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos informou, não existem dados nacionais do número de moradores de rua infectados e/ou mortos pela Covid-19.

Ainda de acordo com o censo de 2020, 70% das pessoas que vivem nas ruas da cidade são negras e 85% do sexo masculino. Esse número representa um aumento de 60% em comparação ao censo de 2015. Dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea),  estimam que existam cerca de 222 mil pessoas morando nas ruas em todo o país.

Segundo Torquato, a população de rua é invisível para o governo federal, estadual e municipal. “Nós não observamos uma atenção efetiva, de forma ampla e continuada, para amparar as pessoas em situação de rua. O que nós observamos foram medidas isoladas, pontuais e que só serviram para que os governos dissessem ‘ali estamos fazendo alguma coisa’, mas a abrangência dessas políticas públicas que foram ofertadas não chegou nem perto da demanda e das necessidades que essa população de fato requer”, aponta.

Vulnerabilidade social 

Manoel Torquato exemplifica as razões que fazem dos moradores de rua prioridade no que tange a imunização. Para ele, essas pessoas são duplamente afetadas pela pandemia, uma vez que não podem cumprir as medidas de isolamento social. “Elas não estão em condições de seguir a orientação de ‘ficar em casa’, que é uma das principais recomendações da Organização Mundial da Saúde [OMS]. Como ficar em casa sem ter casa?”, questiona.

Além da moradia, outros pontos destacados por Torquato são a ausência de moradia e a falta de condições para a higienização adequada. “Não há banheiros públicos, não há locais para banho, então, onde lavar as mãos? Onde e como usar álcool em gel? Como obter máscaras? Todo o aparato de orientações para a população em geral é inviável para os que estão em situação de rua”, detalha.

Para Ana Carolina de Paula, médica de família e comunidade, a Covid-19 é especialmente perigosa para a população de rua justamente pelos motivos citados por Torquato. A profissional de saúde aponta que devido à vulnerabilidade, falta de higiene e condições precárias de prevenção contra o coronavírus, a propagação da doença pode ser alta, ainda mais com a falta de acesso ao serviço público de saúde.

“Esse panorama que a população de rua vive faz dela mais suscetível às doenças em geral e o novo coronavírus não é uma exceção. Esse  também é o grupo mais propenso a desenvolver as formas mais graves da doença. A dificuldade ao serviço de saúde prejudica e retarda o diagnóstico, o que faz com que esse paciente evolua mal ao quadro, mais do que a população em geral”, explica a médica.

Ana Carolina ainda adverte que o morador de rua tem outro desafio ao ser diagnosticado como infectado pelo coronavírus, que é a aplicação das medidas sanitárias à sua situação e a manutenção do tratamento fora do hospital. “Às vezes, as condutas que são dadas a esse paciente são difíceis, por ele não ter acesso ao medicamento, ou ainda a dificuldade de tomar o remédio no horário correto, que foi indicado pelo médico”, afirma.

As ONGS, Organizações Não-Governamentais, como a Craco Resiste (SP), contam com a ajuda de voluntários para levar informação e insumos para pessoas em situação de rua. Ricardo Barros, educador social e voluntário do projeto, explica que desde que começou a pandemia houve uma mobilização grande entre as ONGs e os coletivos para auxiliar principalmente os moradores de rua localizados na região da Cracolândia.  

“Foi necessário orientar essas pessoas quanto à prevenção da doença. Além disso, a distribuição de insumos foi feita por muitas pessoas de vários coletivos diferentes. Insumos diversos, como máscaras, álcool em gel, marmitas. Mas o principal é ensinar a eles como se contrai e como se prevenir”, salienta.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com