fbpx

Abraham Weintraub não deu nenhuma justificativa para a decisão; objetivo da portaria era aumentar a diversidade étnica e cultural nos programas de mestrado e doutorado

Texto: Nataly Simões | Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, revogou uma portaria da pasta que possibilitava a adoção de políticas de cotas para pessoas negras e indígenas em programas de pós-graduação nas universidades. A decisão foi divulgada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (18) em meio à crise política que deve levar à saída do ministro do governo de Jair Bolsonaro nos próximos dias.

printmisteriodaeducacao

Decisão foi publicada no Diário Oficial da União sem nenhuma justificativa. (Foto: Reprodução)

A portaria, publicada em maio de 2016 no governo da ex-presidente Dilma Rousseff, estabelecia um prazo de 90 dias para instituições federais de ensino superior apresentarem propostas de inclusão desses grupos e também de pessoas com deficiência em seus programas de mestrado e doutorado. Havia ainda uma determinação para que as universidades criassem comissões para discutir o aperfeiçoamento de ações afirmativas.

O texto também definia que a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) deveria coordenar a elaboração periódica de um censo de alunos da pós-graduação a fim de fornecer subsídios para o acompanhamento dos programas de cotas. Ao Ministério da Educação, cabia a criação de um grupo de trabalho para acompanhar as ações propostas.

A portaria editada pelo ministro da Educação na época, Aloizio Mercadante, citava a declaração de 2012 do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a constitucionalidade das cotas. “A adoção de Políticas de Ações Afirmativas na graduação não é suficiente para reparar ou compensar efetivamente as desigualdades sociais resultantes de passivos históricos ou atitudes discriminatórias atuais; e que universidades públicas, em diversos programas de pós graduação, estão adotando Políticas de Ações Afirmativas para negros, indígenas e pessoas com deficiências, ampliando a diversidade étnica e cultural em seu corpo discente”, dizia o texto.

A decisão de Weintraub de revogar a portaria vai na contramão de medidas recentes como a da Universidade de Brasília (UnB), que aprovou no início de junho a criação de cotas para negros, indígenas e quilombolas em seu programa de pós-graduação, assim como outras universidades brasileiras nos últimos anos.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com