fbpx
 

bannerlimpo

Mortes por intervenção das forças de segurança aumentaram 57% nos últimos cinco anos, em comparação com o período de implantação das UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora) em comunidades como a Favela da Maré

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nataly Simões I Imagem: Movimento das Favelas do Rio

As políticas de segurança pública adotadas pelo governo do estado do Rio de Janeiro, que são baseadas na militarização, geraram um grande número de violências e violações de direitos nas favelas. É o que explica a ativista Gizele Martins, autora do livro “Militarização e Censura, Liberdade de Expressão na Favela da Maré”.

“É o controle das nossas vidas, das nossas vozes e da nossa cultura. É uma política de violência e de racismo. Com o desaparecimento forçado, com os autos de resistência e com a polícia que invade os barracos para matar e roubar a gente. A cada ano, aumentam os casos de assassinatos causados por polícias e o judiciário não faz nada. A sociedade apoia o genocídio da população negra”, afirma.

A presença do Exército ou da Polícia nas favelas, que aumentou desde as realizações dos megaeventos da Copa do Mundo de Futebol, em 2014, e das Olimpíadas, em 2016, não teve quase nenhum reflexo na redução da criminalidade.

“Em 2014, o Exército colocou tanques nas portas dos barracos na Maré. Fechou rádios comunitárias, prendeu jovens negros, prendeu os comunicadores da favela, censurando a nossa cultura. Isso também aconteceu em outras favelas onde foram instaladas UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora)”, recorda Gisele, que também integra o movimento de Favelas do Rio de Janeiro.

A primeira UPP foi instalada na capital fluminense em 2008, no morro de Dona Marta, em Botafogo, Zona Sul da cidade. Nos cinco anos seguintes, entre 2009 e 2013, as forças policiais mataram 1.566 pessoas em todo o estado. Além disso, de 2015 a 2019, as mortes por intervenção policial no Rio somaram 2.459 vítimas. Uma alta de 57%.
Somente em 2019, a polícia matou 732 pessoas, em 2018 foram 614 mortes. Há dez anos, em 2010, as mortes por intervenção policial somaram 431 casos no Rio, de acordo com o Instituto de Segurança Pública do Rio de Janeiro (ISP-RJ).

O crescimento da violência nas favelas com a militarização deu origem aos movimentos organizados contra a repressão. “A luta do movimento das favelas é pela libertação do seu território. São mães e familiares de vítimas que estão pautando os impactos disso nos corpos que são negros, nordestinos e muitos indígenas também”, detalha Gisele.

Os protestos das organizações de favelas fazem parte da agenda do “Julho Negro”, que discute o fim do apartheid no mundo, o comércio de armas, a militarização das polícias e o racismo estrutural. “É uma luta histórica dentro e fora das favelas”, comenta a ativista.

O Alma Preta procurou a Secretaria Estadual da Polícia Militar do Rio de Janeiro, no entanto, até a publicação deste texto, a pasta não quis comentar o aumento das mortes por intervenção das forças de segurança na última década.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com