fbpx

Levantamento que analisou as contratações feitas entre janeiro e junho revela que salário para médico negro foi 18,7% menor e para enfermeiro 12,6% menor do que o de brancos

Texto: Redação I Edição: Nataly Simões I Imagem: Raphael Pizzino

No Brasil, as oportunidades de trabalho para médicos e enfermeiros no primeiro semestre deste ano foram quase 30% maiores do que em 2019. Os profissionais de saúde negros, no entanto, foram menos contratados e tiveram remuneração inferior a dos brancos. É o que revela um levantamento feito pela plataforma Quero Bolsa com base nos dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), elaborado pelo governo a partir de informações repassadas pelas empresas.

Entre janeiro e junho de 2020, em meio à pandemia da Covid-19, o novo coronavírus, iniciada em março, foram feitas 3.927 contratações de médicos brancos contra 2.197 de médicos negros. O salário médio dos profissionais brancos foi de R$ 6.950,73 e o dos negros ficou em R$ 5.855,96, o que corresponde a 18,7% a menos.

Para a função de enfermeiros, foram contratados 17.186 brancos e 14.957 negros. Na médial, os profissionais brancos receberam uma remuneração média de R$ 3.658,92, enquanto a dos negros foi de R$ 3.248,50, 12,6% a menos.

Em alguns estados, a diferença de salários entre enfermeiros brancos e negros foi menor. É o caso de São Paulo, onde o profissional branco recebeu em média R$ 4.170,51 e o negro R$ 4.118,03; e da Bahia, com R$ 2.794,83 para o branco e R$ 2.703 para o negro.

A maior diferença salarial por raça foi no Amazonas, com R$ 8.992,15 para o branco e R$ 3.826, 25 para o negro. Em nove estados, o salário do profissional negro foi maior que o do branco para a função de enfermeiro. Na comparação com a contratação de médicos, apenas quatro estados pagaram salários maiores para negros: Espírito Santo, Distrito Federal, Paraná e Rio de Janeiro.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com