fbpx

Uma das maiores empresas do setor de limpeza possui longo histórico de propagandas racistas; esponja recriada faz referência ao cabelo crespo

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nataly Simões I Imagem: Reprodução

A Bombril, uma das maiores empresas do setor de limpeza, está entre os assuntos mais comentados nas redes sociais nesta quarta-feira (17) devido à divulgação de um anúncio com explícitas conotações racistas para uma esponja de lavar louças. O nome da esponja faz referência ao tipo de cabelo crespo, fenótipo comum entre negros.

A marca é responsável por uma série de campanhas publicitárias com black face desde as décadas de 1980 e 1990. Segundo a empresa, o nome “Krespinha” já havia sido usado em 1952.

“Em pleno momento de manifestações antirracistas, temos uma ação dessas que acaba por legitimar a importância do nosso ato. Ao mesmo tempo que me faz pensar a legitimidade que essas pessoas têm de se manifestarem de forma tão racista como essa”, diz Denna Souza, integrante do coletivo Manifesto Crespo, que existe há nove anos.

Em 2019, a Bombril teve um prejuízo de R$ 40 milhões, sendo R$ 5,3 milhões só no quarto trimestre. No entanto, o histórico na empresa não era dos piores. Após reajuste no preço dos seus produtos, a empresa faturou R$ 285,8 milhões no terceiro trimestre de 2018.

Procurada pelo Alma Preta, a Bombril não comentou a repercussão do relançamento da esponja “Krespinha”. Ainda na manhã desta quarta-feira, a propaganda que dizia que a esponja era “perfeita para a limpeza pesada” e “sem esforço” foi retirada do site.

A empresa, com sede em São Bernardo, no ABC Paulista, é dona das seguintes marcas: Bombril, Brillo, Força Azul, Kalipto, Krespinha, Limpex, Limpol, Mon Bijou, Pinho Bril, Polibril, Prá-Lixo, Q’Brilho, Q’Lustro, Remobril, Sapólio Radium e Vantage.

Após a repercussão negativa do produto, a Bombril se pronuncionou publicamente e afirmou que “não houve a intenção em ferir ou atingir qualquer pessoa”. Segundo a empresa, “não há mais espaço para manifestações de preconceitos, sejam elas explícitas ou implícitas”.

* Texto alterado às 16h32 para a inclusão do comunicado da Bombril.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com