fbpx

Show será na noite de 5 de dezembro, no espaço cultural localizado na região central da cidade de São Paulo

Texto / Nataly Simões | Edição / Simone Freire | Imagem / Divulgação

Na noite de quinta-feira (5), o show “Magia Negra” reúne os artistas Bruna Black, Naaya Lelis, Timm Arif e Warley Noua, na Aparelha Luzia, em São Paulo (SP), para celebrar a potência da música independente e alternativa contemporânea. Com repertório autoral, os quatro artistas vão levar para o palco referências de ritmos como o mpb, rap e soul.

Timm Arif conta que os músicos ainda não se apresentaram juntos, mas têm características semelhantes. “Eu acredito que a poesia salva vidas e eu coloco na música o que eu sinto. Nós quatro temos isso em comum, colocamos o que somos no que fazemos. Já assisti o show de Warley Noua e tive essa sensação de proximidade. A Bruna Black tem uma essência musical que eu gosto muito. Já a Naaya Lelis traz sensibilidade à música, me levando para outro lugar cada vez que eu a escuto. Ao ver isso neles, eu me vi, e por isso eu acho a música poderosa”, conta.

Essa é a primeira edição do “Magia Negra”, organizado pelo “Wimbi - Uma Onda Sobre a Outra”, selo pertencente aos artistas Timm Arifi e Naaya Lelis. O evento faz parte da programação oficial da Semana Internacional de Música, uma das feiras de música mais importantes da América Latina.

De acordo com Timm Arif, a ideia de dar ao show o nome de “Magia Negra” surgiu para ressignificar o termo. “A palavra ‘negro’ dentro de uma magia sempre foi vista de forma pejorativa, além de ter sido demonizada pelas pessoas que criminalizam a nossa cor e tudo o quer diz respeito ao nosso povo”, explica.

Para todas as pessoas interessadas em conseguir assistir ao show, a organização do evento optou pela entrada com ingressos colaborativos, ou seja, o público desembolsa o valor que tiver condições.

Segundo Naaya Lelis, o mais importante é o público estar unido para um único propósito: celebrar a cultura negra. “Nossa cultura não é importante só nesta noite, mas estar entre os nossos, mesmo sem conhecer todas as pessoas, é essencial para celebrarmos tantas outras coisas. A vida não é fácil, mas precisamos estar unidos e a música é um meio de resistirmos, de nos reconhecermos e nos identificarmos”, conta.

Serviço

Data: 5 de dezembro, quinta-feira, a partir das 19h

Onde: Aparelha Luzia | Rua Apa, 78, Campos Elíseos, São Paulo - SP

Ingresso colaborativo e classificação livre.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com