fbpx
 

bannerlimpo

Mobilização será na terça-feira (26), às 18h, nas redes sociais da Coalizão Negra Por Direitos; adolescente de 14 anos foi assassinado dentro de casa no Complexo do Salgueiro (RJ)

Texto: Redação | Edição: Simone Freire | Imagem: Guito Moreto

A Coalizão Negra Por Direitos, organização que reúne entidades do movimento negro à nível nacional, realiza em suas redes sociais nesta terça-feira (26), às 18h, o ato “Luto em luta” em memória de João Pedro e de todas as vítimas do genocídio negro no Brasil. A mobilização exige providências sobre a realidade de violência da população negra e moradora das periferias.

João Pedro, de 14 anos, estava dentro de casa quando foi assassinado a tiros em 18 de maio durante uma ação do Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE) e de agentes da Polícia Federal no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, no Rio de Janeiro. Sem a autorização da família, o adolescente foi levado no helicóptero de operações e os pais só o reencontram no Instituto Médico Legal (IML), para o reconhecimento do corpo.

“Este crime bárbaro é mais um, que por comover todo país, torna-se símbolo da necropolítica colocada em prática pelo Estado brasileiro, capaz de manter violentas operações policiais em favelas e periferias mesmo em tempos da mais mortal pandemia que o país da viveu. Pedro e sua família obedeciam a orientação do Governador Witzel e dos organismos internacionais de saúde, como forma de se proteger da Covid-19. Eles estavam em casa, mas para famílias negras no Brasil, a casa, a rua, a comunidade não são sinônimo de segurança”, reitera o manifesto assinado por mais de 500 coletivos negros.

O manifesto destaca ainda que a violência no país recai majoritariamente sobre a população negra e moradora das periferias. Dados do Atlas da Violência, levantamento realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), indicam que 75,5% das vítimas de assassinatos são negras.

No caso do Rio de Janeiro, segundo o Instituto de Segurança Pública, 80% dos mortos por policiais no estado apenas no primeiro semestre de 2019 eram negros. Em 2020, mesmo em meio à pandemia do Covid-19, os dados sobre a violência policial são alarmantes. Somente entre os dias 15 e 19 de março, início do isolamento social, os agentes de segurança pública do estado mataram 69 pessoas.

As mortes em operações monitoradas, que tiveram uma drástica queda no começo da epidemia (-82,6% em março), superaram as de 2019 em abril e maio (aumento de 57,9% em abril e 16,7%). Os dados indicam que em abril e maio as polícias do Rio de Janeiro usaram mais força letal em operações policiais do que em 2019, quando o Rio de Janeiro teve o recorde de 1.810 mortes causadas por intervenção policial.

Twitter, Instagram, Facebook e YouTube: @CoalizaoNegra.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com