fbpx
 

Cantora baiana é uma das maiores expoentes da nova geração; novo single “Bom Mesmo É Estar Debaixo D'água” traz rimas certeiras com voz marcante e acompanha clipe disponibilizado no YouTube

Texto: Guilherme Soares Dias | Edição: Nataly Simões | Imagem: Divulgação

A cantora e compositora baiana Luedji Luna lançou seu novo single “Bom Mesmo É Estar Debaixo D'água” nesta sexta-feira (25). A música dá título e abre os trabalhos para o lançamento do segundo álbum da artista, que chega em outubro, três anos após “Um Corpo no Mundo”, disco de estreia que teve sucessos como o hit “Banho de Folhas”, que ganhou prêmios e a galgou como uma das expoentes da nova geração de cantoras do Brasil, com suas rimas certeiras e voz marcante.

Composta em parceria com o cantor e compositor François Muleka, a nova canção traz de forma muito simbólica os tempos do afeto. “É sobre respeitar o tempo do outro, o ritmo do outro”, explica Luedji, ao Alma Preta.

A música é uma referência as águas é sensitiva, dançante e traz um balanço com mistura musical preta do reggae ao jazz. “Eu danço a dança das tuas marés; Eu danço a tua dança [...] Você maremoto, você maré mansa”, canta a baiana na música que estreia acompanhada de um vídeo clipe dirigido por Joyce Prado, uma das principais parceiras de trabalho da cantora e vencedora do prêmio WME (Women’s Music Event) na categoria “melhor diretora de clipe” e cofundadora da APAN (Associação do Produtores do Audiovisual Negro).

No clipe, a cantora aparece grávida envolta em tecido vermelho na praia em frente ao mar. No candomblé, iemanjá que é a orixá das águas, tem a representação de mãe e acolhimento. Luedji deu à luz em julho ao primeiro filho, Dayo, da relação com o também cantor Zudzilla. A gravidez foi a pausa necessária para a finalização do álbum, que traz músicas gravadas em janeiro no Quênia.

Confira o clipe de “Bom Mesmo É Estar Debaixo D'água”, novo single de Luedji Luna:

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com