fbpx
 

bannerlimpo

Ao todo, 18 mulheres negras quilombolas assinam os artigos da obra do selo Sueli Carneiro; publicação foi organizada por Selma Dealdina dos Santos e coordenada por Djamila Ribeiro

Texto: Flávia Ribeiro | Edição: Nataly Simões | Imagem: Acervo Pessoal/Cida Sousa

Com evento de lançamento marcado paras sábado (24), às 17h, o livro “Mulheres quilombolas: territórios de existências negras femininas” traz os saberes, vivências e resistências de 18 mulheres negras quilombolas de vários estados do Brasil. A obra é uma publicação da editora Jandaíra e traz uma série de artigos pelo Selo Sueli Carneiro, organizado por Selma Dealdina dos Santos e coordenado por Djamila Ribeiro.

O evento online de lançamento pode ser acompanhado pelas redes sociais da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais e Quilombolas (Conaq) e da editora Jandaíra.

A coletânea de artigos traz diversos eixos temáticos, abrangendo de violência doméstica à educação e mostrando lutas históricas, como a reinvindicação de ações afirmativas e o reconhecimento de seus territórios. A questão ambiental também é explorada nos artigos, uma vez que as mulheres quilombolas desempenham um papel fundamental na produção agrícola em suas comunidades.

“Muitas das vezes, nós, mulheres quilombolas víamos as nossas histórias contadas em livros de outras pessoas. Não tínhamos oportunidade de colocar a nossa fala. A palavra que nos define é gratidão mesmo, por saber que esse trabalho, que começou há um ano e meio, está pronto. Hoje, posso olhar para a minha estante e ver o livro em que estou como co-autora”, destaca Cida Sousa, uma das co-autoras. Ela acrescenta que está ansiosa para mostrar a obra para a avó de mais de 90 anos.

andreiaaaa

Para Andreia Nazareno, outra co-autora, o grande desafio foi encontrar as palavras certas diante da responsabilidade de ser lida por outras mulheres. “Mas é grande a satisfação e também o orgulho de estar produzindo algo que vai ser lido por outras mulheres negras quilombolas e mostrar que nós podemos produzir um livro com nossa cara e por muitas mãos”, afirma.

Participam do livro Ana Carolina Fernandes, Sandra Maria Andrade, Selma Dealdina, Cida Sousa, Vercilene Dias, Débora Lima, Carlidia Pereira, Givânia Maria da Silva, Cida Mendes, Valéria Pôrto, Nilce Pontes, Dalila Martins, Cleide Cruz, Jane Oliveira, Amaria Campos, Andreia Nazareno, Gessiane Nazário, Mônica Borges.

“Mulheres quilombolas: territórios de existências negras femininas” está disponível para compra online, no valor de R$ 48, no site da editora Jandaíra.

Foto interna: Acervo Pessoal/Andreia Nazareno

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com