Documento disponível para assinatura no Brasil tem Angela Davis, Jupiara Castro, entre outras mulheres como signatárias

Texto / Simone Freire 

Imagem / Divulgação

Mulheres e pessoas LGBTQ+ estão preparando uma resposta global para o que consideram ser um momento de crise global. Em um manifesto, personalidades e lutadoras como Angela Davis (EUA), Jupiara Castro (BRA), Marta Dillon (ARG), Julia Cámara (ESP), Luna Follegati (CHI), Enrica Rigo (ITA), Veronica Cruz Sanchez (MEX), Morgane Merteuil (FRA), Julia Cámara (ESP), entre outras, entoam a necessidade da união internacional.

"Chegou a hora de levar nosso movimento um passo adiante e convocar reuniões internacionais e assembleias dos movimentos para tornar-se o freio de emergência capaz de deter o trem do capitalismo global, que descamba a toda velocidade em direção à barbárie, levando a bordo a humanidade e o planeta em que vivemos", diz trecho do texto.

Na carta, as mulheres brasileiras salientam os altos índices de feminicídios que estão disparando no país. Além disso, ressaltam as ações do atual governo de Jair Bolsonaro (PSL), que "está colocando em prática uma guerra contra os pobres, as mulheres, as LGBTQ+ e as pessoas negras".

Confira o manifesto na íntegra:

Para além do 8 de Março: rumo a uma Internacional Feminista

Pelo terceiro ano consecutivo a nova onda feminista transnacional chamou um dia de mobilização global no 8 de março: greves legais do trabalho assalariado – como as 5 milhões de grevistas do 8 de março de 2018 na Espanha e as centenas de milhares no mesmo ano na Argentina e na Itália; greves protagonizadas pelas bases de mulheres sem direitos ou proteção trabalhistas, greves do trabalho de cuidado e não pago; greves de estudantes, mas também boicotes, marchas e trancamentos de vias.

Pelo terceiro ano consecutivo mulheres e pessoas quer por todo o mundo estão se mobilizando contra os feminicídios e toda forma de violência de gênero; pela autodeterminação de seus corpos e acesso ao aborto seguro e legal; por igualdade salarial para trabalhos iguais; pela livre sexualidade. Se mobilizam também contra os muros e fronteiras; o encarceramento em massa; o racismo, a islamofobia e o anti-semitismo; a desapropriação das terras de comunidades indígenas; a destruição de ecossistemas e a mudança climática.

Pelo terceiro ano consecutivo, o movimento feminista está nos dando esperança e uma visão para um futuro melhor em um mundo em desmoronamento. O novo movimento feminista transnacional é moldado pelo sul, não só no sentido geográfico, mas também no sentido político, e é nutrido por cada região em conflito. Essa é a razão de ele ser anticolonial, antirracista e anticapitalista.

Estamos vivendo um momento de crise geral. Essa crise não é de forma alguma somente econômica; é também política e ecológica. O que está em jogo nessa crise são nossos futuros e nossas vidas. Forças políticas reacionárias estão crescendo e apresentando-se como uma solução a essa crise. Dos EUA à Argentina, do Brasil à India, Itália e Polônia, governos e partidos de extrema direita constroem muros e cercas, atacam os direitos e liberdades LGBTQ+, negam às mulheres a autonomia de seu próprio corpo e promovem a cultura do estupro, tudo em nome de um retorno aos “valores tradicionais” e da promessa de proteger os interesses das famílias de etnicidade majoritária.

Suas respostas à crise neoliberal não é resolver a raíz dos problemas, mas atacar os mais oprimidos e explorados entre nós.

A nova onda feminista é a linha de frente na defesa contra o fortalecimento da extrema-direita. Hoje, as mulheres estão liderando a resistência a governos reacionários em inúmeros países.

Em setembro de 2018, o movimento “Ele Não” juntou milhões de mulheres que se levantaram contra a candidatura de Jair Bolsonaro, que agora tornou-se um símbolo mundial dos planos da extrema-direita para a humanidade e o catalisador de forças reacionárias na América Latina. Os protestos ocorreram em mais de trezentas cidades no Brasil e em todo o mundo.

Hoje, Bolsonaro está colocando em prática uma guerra contra os pobres, as mulheres, as LGBTQ+ e as pessoas negras. Ele apresentou uma reforma da previdência draconiana e afrouxou as leis de controle das armas. Feminicídios estão disparando num país que já em 2018 tinha um dos maiores números de feminicídios do mundo, sendo 70% dessas mulheres assassinadas negras. 126 feminicídios já ocorreram em 2019.

O movimento feminista brasileiro está respondendo esses ataques e se preparando para a mobilização no 8 de março e novamente no 14 de março, no aniversário do assassinato político de Marielle Franco, ao mesmo tempo em que emergem informações sobre os fortes laços entre os filhos de Bolsonaro e um dos milicianos responsáveis por sua morte.

Da mesma forma, o "Non Una Meno" na Itália é hoje o único movimento organizado respondendo às políticas anti-imigrantes e misóginas do governo de direita da Liga Norte e do Movimento Cinco Estrelas. Na Argentina, mulheres lideraram a resistência contra as políticas neoliberais de direita do governo Macri. E, no Chile, o movimento feminista está lutando contra a criminalização da luta dos povos indígenas e o machismo sistêmico de uma educação muito cara.

O movimento feminista também está redescobrindo o significado da solidariedade internacional e da iniciativa transnacional. Nos últimos meses o movimento feminista argentino usou o evocativo nome de “Internacional Feminista” para se referir à prática da solidariedade internacional reinventada pela nova onda feminista, e em alguns países, como a Itália, o movimento está discutindo a necessidades de encontros transnacionais para melhor coordenar e compartilhar visões, análises e experiências práticas.

Diante da crise global de dimensões históricas, mulheres e pessoas LGBTQ+ estão encarando o desafio e preparando uma resposta global. Depois do próximo 8 de março, chegou a hora de levar nosso movimento um passo adiante e convocar reuniões internacionais e assembleias dos movimentos: para tornar-se o freio de emergência capaz de deter o trem do capitalismo global, que descamba a toda velocidade em direção à barbárie, levando a bordo a humanidade e o planeta em que vivemos.


Amelinha Teles (União de Mulheres de São Paulo, Brazil)
Andrea Medina Rosas (Lawyer and activist, Mexico)
Angela Y. Davis (Founder of Critical Resistance, US)
Antonia Pellegrino (Writer and activist, Brazil)
Cinzia Arruzza (Co-author of Feminism for the 99%. A Manifesto)
Enrica Rigo (Non Una di Meno, Italy)
Julia Cámara (Coordinadora estatal del 8 de marzo, Spain)
Jupiara Castro (Núcleo de Consciência Negra, Brazil)
Justa Montero (Asamblea feminista de Madrid, Spain)
Kavita Krishnan (All India Progressive Women’s Association)
Lucia Cavallero (Ni Una Menos, Argentina)
Luna Follegati (Philosopher and activist, Chile)
Marta Dillon (Ni Una Menos, Argentina)
Monica Benicio (Human rights activist and Marielle Franco’s widow, Brazil)
Morgane Merteuil (feminist activist, France)
Nancy Fraser (Co-author of Feminism for the 99%. A Manifesto)
Nuria Alabao (Journalist and Writer, Spain)
Paola Rudan (Non Una di Meno, Italy)
Sonia Guajajara (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil)
Tatiana Montella (Non Una di Meno, Italy)
Tithi Bhattacharya (Co-author of Feminism for the 99%. A Manifesto)
Veronica Cruz Sanchez (Human rights activist, Mexico)
Verónica Gago (Ni Una Menos, Argentina)
Zillah Eisenstein (International Women’s Strike, US)

Assine o manifesto:
www.internacionalfeminista.org

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
contato(@)almapreta.com

Mais Lidos