Texto: Pedro Borges / Foto: Nicolas Barbosa

O filme, produzido com poucos recursos técnicos e financeiros, é bem avaliado pela crítica

O filme Siyanda, que em Zulu significa nós estamos crescendo, venceu o prêmio de melhor roteiro e alcançou o 3° melhor filme no Festival 72horas, em cerimônia na Cinelândia, no cine Odeon, no dia 25/06.  As filmagens aconteceram entre os dias 26 e 29 de junho na região portuária do Rio de Janeiro, perímetro determinado pela organização do prêmio.

Siyanda trata de uma mulher negra rejeitada em uma vaga de emprego que desaba em desespero e choro. A personagem, interpretada pela atriz Gambia Mariama Bah, começa a andar pelo centro da cidade do Rio de Janeiro, fato que desperta a atenção dos espíritos ancestrais, que passam a acompanhar sua caminhada até onde fica localizado o Museu do Amanhã.

Entre os 15 melhores curtas apresentados no evento, as duas premiações ao filme Siyanda são de extrema importância para o fortalecimento do cinema brasileiro, de acordo com Hugo Lima, roteirista da obra. “O cinema tem que ser inundado pela nossa visão e nossa sensibilidade. Um grupo de negros, falando de negritude dentro de uma mídia dominada por brancos. Nossos irmãos precisam se ver nas telas dos cinemas sempre de modo positivo, e é isso que estamos tentando fazer. Com todas as dificuldades, fizemos isso. Acredito que nossa importância reside em ter conseguido destaque num festival de cinema falando, diretamente, para o povo negro”.

A conquista é motivo de grandes projeções para o grupo de cineastas e artistas negros que pretende continuar a produzir e participar de festivais. “Entendemos esse acontecimento como uma oportunidade de expôr nosso ponto de vista no audiovisual. Fomos (negros)excluídos sistematicamente dos espaços de projeção e, apesar de, mesmo assim, termos conseguido encontrar meios para demonstrar os nossos múltiplos talentos artísticos, hoje existe a possibilidade de ocupar certos espaços que nos foram negados. Temos como objetivo inscrever o filme em mais festivais e estamos também produzindo um novo curta e um documentário sobre a lei 10639, chamado “Quem nos educa?”.

Ficha técnica

Roteiro: Hugo Lima, Nathali de Deus, Lumena Aleluia

Atores: Mariama Bah, Lumena Aleluia, Carolina Netto, Alessandro Conceição, Cristiano Mattos, Jonh Conceição e Luciane Dom

Produção: Hugo Lima, Nathali de Deus e Nathália Rodrigues

Recurso técnico: 2 câmeras semiprofissionais (t3i), 1 tripé, 1 monopé e 1 rebatedo

Página do coletivo no Facebook.

bannerhorizontal

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com

Mais Lidos