fbpx

Diálogo acontece às 20h desta quinta-feira (12), no Aparelha Luzia, em São Paulo (SP)

Texto / Nataly Simões | Edição / Simone Freire | Imagem / Reprodução

A última edição de 2019 da série de diálogos sobre masculinidades negras “Troca-Troca” homenageia o baiano Joãozinho da Gomeia, considerado o rei do candomblé e responsável pela expansão da religião de matriz africana no sudeste. O bate-papo gratuito e aberto ao público acontece nesta quinta-feira (12), às 20h, no Aparelha Luzia, região central de São Paulo (SP).

Participam do diálogo de masculinidades desta quinta-feira (20), o ator e palestrante Nego Catra, o educador e psicólogo Pedro Pires, o influenciador digital Caco Batista, o terapeuta Fabio Sousa, e o rapper Nouve, que também lançará seu mais novo videoclipe “Amor Preto” no evento.

De acordo com o curador e mediador do bate-papo, Roger Cipó, Joãozinho da Gomeia é um convite para discussão sobre masculinidades negras considerando a amplitude, complexidade e pluralidade que o tema pede.

Joãozinho ficou famoso por subverter ordens e se estabelecer como sacerdote em uma época, primeira metade do século 20, onde homens neste posto do candomblé ainda era um tabu. Ele levou a dança dos orixás para o teatro e cinema e estampou capa de revistas famosas como a extinta “O Cruzeiro”.

Serviço:

“Troca-Troca - Diálogo das masculinidades”

Quando: 12 de dezembro, quinta-feira, às 20h

Onde: Aparelha Luzia Rua Apa, 78, Campos Eliseos, São Paulo (SP)

Próximo ao Metrô Santa Cecília e Marechal Deodoro

Entrada gratuita.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com