fbpx

Militarização do Rio de Janeiro com tropas federais não é exclusividade do governo Michel Temer. Durante a gestão Dilma Rousseff, os gastos na área também foram elevados

Texto / Pedro Borges
Imagem / Tomaz Silva / Agência Brasil

A quantia definida pelo presidente Michel Temer para a intervenção militar no Rio de Janeiro, no valor de R$ 1,2 bilhão, é 57 vezes maior do que o orçamento da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) por ano, no biênio 2011 e 2012. Para esse período, a cifra destinada para a pasta foi de R$ 42 milhões.

O recurso destinado para a SEPPIR em 2011 e 2012 havia sofrido queda, se comparado ao biênio 2009 e 2010, último do governo Lula, quando a quantia foi de R$ 57 milhões. A redução de 26% ocorreu logo no primeiro ano de gestão da então presidenta Dilma Rousseff e do vice Michel Temer.

Dina Alves, coordenadora do departamento de justiça e segurança pública do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCRM), acredita que a discrepância entre os números exista por conta de uma industrialização da pena e uma militarização da vida no Brasil, práticas que vão atingir em cheio determinados grupos sociais.

“É na Segurança Pública onde haverá mais dinheiro, porque é ali onde será combatido o inimigo interno da nação, que são as pessoas eleitas, os negros, os pobres das comunidades racializadas e as mulheres em especial”, afirma.

A ação do exército no Rio de Janeiro, porém, não é de exclusividade do mandato do presidente Michel Temer.

Em 5 Abril de 2014, no momento prévio à Copa do Mundo, as forças armadas ocuparam o complexo da Maré com um contingente de 2,5 mil militares, distribuídos entre 1,9 mil militares do exército, 400 da Marinha e 200 da própria Polícia Militar (PM).

Publicado no diário oficial da união na época, o valor diário gasto pelo governo federal para a manutenção das tropas brasileiras era de 1,7 milhão de reais por dia. Ou seja, em 25 dias de ocupação militar, o governo brasileiro também superava o orçamento da SEPPIR por ano, no biênio 2011 e 2012.

A ex-presidenta também havia autorizado crédito extraordinário de R$ 200 milhões para o Ministério da Defesa, na época, quantia quase 10 vezes maior do que o orçamento da SEPPIR.

Dina Alves recorda que os avanços sociais durante os governos do Partido dos Trabalhadores (PT) caminharam de modo paralelo ao aumento dos índices de encarceramento e violência no país, o que exige análise história e ampla sobre o problema dos ataques contra a comunidade negra.

“A punição não deve ser explicada apenas por termos econômicos. Ela deve ser entendida principalmente a partir da nossa matriz de dominação histórica, porque mesmo que raça como categoria ideológica seja um tabu nos discursos do Estado, a gente não vê um Secretário de Segurança Pública ou Ministro da Justiça, pautar essa questão.”

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com