fbpx

Entidade considera que o presidente deve perder o mandato por ter sido negligente, entre outras coisas, no combate à pandemia da Covid-19

Texto: Guilherme Soares Dias I Edição: Nataly Simões I Imagem: Sérgio Lima/AFP

A Coalizão Negra por Direitos, articulação que reúne 150 organizações e coletivos do movimento negro, irá propor um pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pelos crimes de responsabilidade praticados por ele e que, segundo a articulação, agravam a política de genocídio contra a população negra. Entre os argumentos está a não-atuação durante a pandemia da Covid-19, o novo coronavírus.

Este será o 56º pedido de impeachment contra Bolsonaro e será protocolado na próxima quarta-feira (12) no Congresso Nacional. A advogada da áréa de direitos humanos, Sheila de Carvalho, integrante da Coalizão Negra por Direitos, viajará de São Paulo para Brasília para protocolar o pedido. Ela lembra que o Brasil já registra mais de 100 mil vidas perdidas por conta da Covid-19 e que outras ainda serão perdidas. “Isso ocorre pelo menosprezo e negligência com o qual o presidente atuou no combate a pandemia do coronavírus. O não-combate já que ele não realizou as medidas determinadas por lei para salvar a vida de brasileiros”, afirma.

De acordo com a advogada, o pedido se baseia na responsabilização pelo fato de o presidente ter violado o direito de constitucionalidade universal à vida e à saúde. “Tratamos também dos crimes de improbidade administrativa que incorreu por ter incentivado e feito aquisição do medicamento hidroxicloroquina, enquanto já havia comprovação de que esse medicamento não era eficaz para o combate ao coronavírus”, explica.

O pedido também trará os impactos aos direitos constitucionais, como acesso à informação, ações para extermínio e vulnerabilização de comunidades quilombolas e atos que incitam discriminação racial e religiosa formulados pelo presidente. “Dentre eles o apoio a protestos antidemocráticos, que tinham como finalidade o fechamento do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal”, detalha Sheila.

O pedido de impeachment, ainda segundo a advogada, busca o reconhecimento por parte da Câmara dos Deputados e do Senado a respeito dos crimes cometidos pelo presidente e que há necessidade do afastamento do cargo e perda de mandato de Jair Bolsonaro pelos crimes de responsabilidade que exerceu durante a função.

“Ele tratou com absoluto descaso a pandemia que vivemos. Quando foi questionado sobre as mortes, o presidente alegou que não era coveiro. O pedido de impeachment busca evidenciar que ele não era o coveiro, ele é o ceifador. É um chefe do executivo que atua com pleno desprezo a vida, praticando racismo estrutural para deixar morrer milhares de brasileiros. A maior parte das vítimas são negras e pobres”, ressalta.

Após a Coalizão Negra protocolar o pedido, haverá pressão para que o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM), analise os dados e veja os crimes cometidos pelo presidente, levando a investigação à frente até a perda de mandato de Bolsonaro.“Em nosso pedido de impedimento ressaltamos que em 2018 éramos 38,1 milhões de pessoas negras vivendo abaixo da linha da pobreza, o que significa 33% do total da população negra do Brasil. Que a cada 23 minutos um jovem negro é assassinado e que o número de mortes decorrentes da brutalidade policial bate recordes no país. Por isso, não podemos admitir a condução de políticas públicas, como faz o Presidente da República, que aumentam a exclusão, a violência e sobretudo, perpetuam e radicalizam o racismo e o genocídio da população negra”, considera a articulação, em comunicado no site oficial.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com