fbpx

A prisão aconteceu no dia 02 de janeiro, em Pinheiro, Zona Oeste; familiares e ativistas cobram a liberdade imediata de Felipe Patrício e João Igo

 Texto: Roberta Camargo | Edição: Lenne Ferreira | Imagem: Reprodução - Câmera de segurança

Nas imagens da câmara de segurança de um loja, que foram usadas para pedir o habeas corpus dos dois homens, é possível ver que eles caminhavam pela rua às 21h25, depois que o roubo do qual foram acusados já tinham acontecido. O professor de música Felipe Patrício Lino, 20 anos, e o lutador de MMA João, Igo dos Santos Silva, de 37, são moradores da periferia de São Paulo e foram retirados pela polícia do ônibus em que estavam a caminho de casa sob acusação de roubo. A justiça deve julgar o pedido de habeas corpus na tarde de hoje.

Já são 12 dias desde que o crime aconteceu e, para a ativista que acompanha o processo, Irene Maestro, o caso é mais um que demonstra a atuação racista da segurança públcia: "Sabemos que no Brasil, a seletividade racial e de classe faz com que sejamos o terceiro país que mais prende no mundo. O alvo são jovens pretos, pobres, da periferia, sendo que 40% deles está preso sem sequer ter tido ainda um julgamento."

WhatsApp Image 2021 01 14 at 09.31.09 1 
Imagem: Reprodução | Redes sociais

Segundo o Boletim de Ocorrência, assinado pelo delegado Rafael Moreira Cantoni, a acusação é de que dois homens roubaram uma mulher às 21h na Rua Paes Leme, em Pinheiros, levando bolsa, celular, relógio e outros pertences da vítima. Mesmo sem encontrar nenhum destes itens com os “suspeitos”, os dois foram presos e aguardam a análise do Habeas Corpus, protocolado no dia 7 de janeiro. 

Os familiares dos dois homens estão apreensivos e aguardam que o erro seja corrigido. Para o irmão de João Igo, Ayo Shani Santos Silva (32), o papel dos movimentos sociais que promovem a movimentação nas redes sociais tem sido fundamental para visibilizar o caso. "A gente é família, mas temos que ser racionais, então desde o início fui em busca de provas que comprovam a inocência deles", contou. 

O advogado de defesa, Vanderlei Lima Gouveia, afirma que os dois homens são lideranças populares no local onde moram, no Campo Limpo, Região Sul da cidade e reitera: "Pelo histórico, eles não praticariam crime nenhum." A defesa explica que aguarda imagens das câmeras de segurança do Terminal Pinheiros, que mostram a chegada das vítimas antes de pegar o ônibus em que foram abordados pela polícia. 

Mesmo com a resposta negativa para a identificação de Felipe e João, feita pelas testemunhas do crime, a defesa aguarda o julgamento do pedido de habeas corpus, que foi designado ao relator Fábio Gouveia e deve ser julgado ainda na tarde de hoje. "A gente está bastante esperançoso para que eles saiam de lá ainda hoje. Não tem razões para manter eles lá”, desabafa o irmão de João Igo.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com