fbpx

Ideia foi apresentada pelo mandato da deputada Erica Malunguinho (PSOL); medida passa a valer, inicialmente na capital, em 1º de junho

Texto: Redação | Edição: Simone Freire | Imagem: Prefeitura de Jandira

A partir de segunda-feira (1), as pessoas em situação de rua poderão fazer refeições gratuitamente nos restaurantes populares do Bom Prato na cidade de São Paulo (SP). A gratuidade é válida pelo menos até 30 de julho como medida de redução dos impactos da pandemia do Covid-19, o novo coronavírus.

A iniciativa é resultado de uma indicação da deputada estadual Erica Malunguinho (PSOL) e da articulação de seu núcleo jurídico com movimentos sociais organizados na Frente Parlamentar em defesa da população de rua. “É um pequeno passo de uma jornada que deve permanecer até que ninguém mais tenha como fim o endereço do relento. Que o alimento, assim como a moradia, seja efetivamente um direito inalienável”, diz a deputada.

Publicado no Diário Oficial do Governo Estadual nesta quarta-feira (27), a decisão que inicialmente passará a valer na capital é voltada para os usuários cadastrados pela Prefeitura Municipal como população em situação de rua não albergada e sem acesso à assistência alimentar, mediante a apresentação do cartão de gratuidade. O benefício poderá ser estendido enquanto perdurar o estado de calamidade pública, decretado em 20 de março.

Embora a aprovação tenha sido feita na esfera estadual, a adesão da gratuidade fica a critério dos municípios que possuem unidades do restaurante popular Bom Prato. As cidades que aderirem à gratuidade para as pessoas em situação de rua terão um convênio de cooperação com a Secretaria de Desenvolvimento Social, onde caberá ao município a quantificação, identificação e localização dos beneficiários, assim como a entrega dos cartões de gratuidade e monitoramento da prestação dos serviços.

Na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), deputadas negras têm apresentado diversos projetos para garantir aos mais pobres direitos básicos, com ações que vão desde inclusão sobre raça/cor nos registros de Covid-19 até redução de mensalidades em faculdades.

Para as pessoas em situação de rua, especialmente, a Mandata Quilombo de Erica Malunguinho instituiu o Plano Emergencial Intersetorial, prevendo medidas de proteção desse grupo com acesso às condições mínimas de segurança alimentar, moradia e saúde.

* Texto alterado às 17h20 para correção de informações.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com