fbpx

Segundo Rosane Borges, ex-coordenadora geral do CNIRC, a falta de conhecimento trará prejuízos para o desenvolvimento do trabalho

Texto / Pedro Borges I Edição / Simone Freire I Imagem / Ascom/Palmares

A Fundação Cultural Palmares nomeou, no dia 15 de maio, Raimundo Nonato, 1° Sargento do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal, como coordenador-geral do Centro Nacional de Informação e Referência da Cultura Negra (CNIRC). O órgão, vinculado ao Ministério do Turismo, tem o objetivo de promover a cultura afro-brasileira.

Além de bombeiro, Raimundo Nonato tem outras formações no currículo, nenhuma focada nos estudos da cultura ou população negra no Brasil. O sargento é graduado em Música pelo Musicians Institute, na Califórnia (EUA), é certificado pelo curso de extensão em Inglês pela Hollywood High School, graduado em Processamento de Dados com pós-graduação em Gestão de Pessoas pela Universidade Católica de Brasília e, atualmente, bacharelando em Direito.

Apesar da formação acadêmica, Nonato não tem vínculo com o movimento negro ou se envolvido com temas relacionados à questão racial no país. Segundo Rosane Borges, que foi coordenadora-geral do CNIRC em 2013 e é professora colaboradora do Grupo de Pesquisa Estética e Vanguarda (ECA-USP), a ausência de experiência por parte de Raimundo Nonato na área das relações raciais será um problema para o órgão.

“Combater o racismo e desenhar políticas de promoção da igualdade racial, que é o papel do gestor público, exige o domínio de como o racismo se efetiva e as várias camadas dele. Quando a gente tem pessoas sem expertise, sem o domínio de como se efetivam as relações raciais no Brasil, você nunca alcança os problemas sociais”, explica.

Rosane Borges acredita que a nomeação do novo coordenador-geral do CNIRC está em acordo com as propostas políticas da atual gestão da Fundação Cultural Palmares, no comando de Sérgio Camargo, e do governo do presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido).

“O presidente da Palmares está em consonância com o que é esse governo. Para cada nomeação, a gente sabe que se trata da reafirmação ostensiva brutal de eles dizerem ‘nós estamos aqui para matar, asfixiar, para não fazer acontecer’”, explica.

A nomeação de Raimundo Nonato, também está em acordo com a política do atual governo de indicar profissionais com trajetória militar. “A presença dos militares também é um outro projeto. Eles vão dominando, cercando todas as áreas”, porque bombeiro também é militar, e reafirma de maneira bastante ostensiva qual é a função de governar. A gente tem a cada nomeação que a gente sabe é a reafirmação ostensiva brutal de dizer que nós estamos aqui para matar, asfixiar, para não fazer acontecer”, diz Borges

O órgão

Segundo o site da Fundação Cultural Palmares, o CNIRC tem o objetivo de “fomentar atividades de estudos, pesquisas e de produção e sistematização de dados e informações relativas à cultura afro-brasileira, além da disseminação de informações qualificadas de temática negra”.

As principais ações de responsabilidade do órgão são a publicação da coleção Ciclo de Palestras Conheça Mais, exposições de arte com a temática afro e de produções artistas negras e negros, parcerias com institutos e centros de pesquisas, universidades e congêneres para produção de conhecimento sobre as culturas negras brasileiras, Cine Palmares, Prêmio Oliveira Silveira, entre outras.

Em entrevista ao site da Fundação, Raimundo Nonato disse que a meta é a de dar continuidade aos “projetos que funcionam” e implantar “uma nova gestão com DNA próprio”.

A equipe de reportagem do Alma Preta entrou em contato com o órgão para questionar os critérios para a escolha de Raimundo Nonato e se a falta de experiência com o tema das relações raciais não pode prejudicar o trabalho frente ao CNIRC. Até o fechamento do texto, nenhum posicionamento havia sido emitido.

 

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com