fbpx

Além de premiar 20 artistas de diferentes estilos e regiões do Brasil, mostra se trata de uma resposta à agressão cometida por um parlamentar do PSL, que na semana da Consciência Negra, de 2019, destruiu uma obra sobre o genocídio da população negra, exposta na Câmara dos Deputados

Texto: Redação | Edição: Nataly Simões | Imagem: Thiko Charge

A exposição virtual “20xARTE: contra o racismo e a censura no Brasil”, organizada pelas organizações ARTIGO 19 e Coalizão Negra por Direitos, reúne 20 ilustrações e charges sobre antirracismo e liberdade de expressão. Lançada no dia 30 de julho, a mostra reafirma a liberdade de expressão artística, especialmente para protestar e desafiar o racismo no Brasil.

Segundo as organizações responsáveis, a exposição também se trata de uma resposta à agressão cometida pelo deputado federal Coronel Tadeu (PSL-SP), em 19 de novembro de 2019, na Câmara dos Deputados, em Brasília. O parlamentar quebrou uma charge de Carlos Latuff sobre o genocídio da população negra. A obra estava exposta em um dos corredores da casa legislativa como parte da exposição “Resistir no Brasil”, na semana da Consciência Negra.

O edital aberto recebeu 112 inscrições de artistas de todo o país. Os 20 artistas selecionados são de diferentes estilos e lugares do país. As obras que compõem a exposição online foram escolhidas por um comitê de seleção formado por Juliana Gonçalves e Maria José Menezes, da Marcha das Mulheres Negras de São Paulo; Jackeline Silva, do Instituto de Mulheres Negras do Mato Grosso; Maria Angélica Oliveira, da Rede de Proteção; Letícia Carvalho, da Rede de Mulheres Negras do Nordeste; Vinícius Araújo, do Alma Preta; e Luciana Guimarães e Denise Dora, da ARTIGO 19.

“A arte é ainda mais necessária quando mobilizada para protestar contra discriminações estruturais e violências inaceitáveis. A quantidade e a qualidade das dezenas de propostas recebidas no edital e das 20 obras que compõem esta exposição demonstram a importância do apoio a intervenções artísticas neste momento do país, e do direito de sermos #LivreParaProtestar, criar e nos expressar”, diz comunicado das organizações responsáveis pela mostra.

O lançamento ocorre em julho em apoio às ações de raça e gênero que marcaram o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha e o Dia Nacional Tereza de Benguela e da Mulher Negra, celebrados em 25 de julho.

Confira a exposição virtual no site Livre Para Protestar.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com