fbpx
 

Temática proposta pelo Coletivo Legítima Defesa traz para o diálogo figuras como Sônia Guajajara e Raquel Barreto; evento aborda a pesquisa da intelectual Lélia Gonzalez

Texto: Victor Lacerda | Edição: Nataly Simões | Imagem: Divulgação

“Amefricanidades: Para Dar Luz às Sabedorias e às Experiências Negras e Ameríndias no Continente Americano”. Este é o tema que dá continuidade às atividades gratuitas do Coletivo Legítima Defesa apoiado pelo Instituto Ibirapitanga, que juntos promovem painéis de diálogos e criações dentro da edição 2020 da Festa Literária das Periferias (FLUP).

Tendo como fonte a intelectual negra brasileira Lélia Gonzalez, a abordagem do encontro refere-se às sabedorias e às experiências negras e ameríndias no continente americano e cria possibilidades para o encontro e reflexão sobre essas diferentes experiências: um espaço para outros olhares possíveis sobre a sociedade brasileira.

A líder indígena brasileira, Sônia Guajajara, e a historiadora e pesquisadora do Partido Panteras Negras, Raquel Barreto, protagonizam a discussão no sábado (17). Em razão da pandemia da Covid-19, o evento acontece online, sempre às 19h, com transmissão no Facebook e YouTube da Flup, sempre às 19h. 

Complementando a programação, O Ciclo Lélia Gonzales: Uma Intelectual Amefricana, com curadoria de Eugênio Lima, convida Flávia Rios e Márcia Lima no dia 29 deste mês; e Carla Kotirene e Djamila Ribeiro no dia 31.

A série de painéis também tem como foco as questões relacionadas ao universo de pesquisa e questionamentos da homenageada Lélia Gonzalez, como seu ponto de vista da desterritorialização e da construção da narrativa da população negra brasileira.

Além dos diálogos, cada painel tem uma breve videoperformance criada pelos integrantes do coletivo Legítima Defesa a partir do tema proposto para o dia.

Programação:

17 de outubro, sábado, às 19h:
“Amefricanidades: Para dar luz às sabedorias e às experiências negras e ameríndias no continente americano”
Sônia Guajajara e Raquel Barreto
Mediação de Eugênio Lima

29 de outubro, quinta-feira, às 19h:
“Lélia Gonzalez: vida, trajetória e obra”
Flávia Rios e Márcia Lima
Mediação de Alex Ratts
Lançamento do livro “Por um feminismo afrolatinoamericano”

31 de outubro, sábado, às 19h:
“Feminismo Negro: Lélia Gonzalez e o pensamento do feminismo negro”
Carla Akotirene e Djamila Ribeiro
Mediação de Flávia Oliveira

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com