fbpx
 

Jalil Muntaqim, de 68 anos, foi preso em 1971, aos 19, acusado de matar dois policiais; várias evidências apontavam a inocência do ativista, mas todos os pedidos de liberdade condicional foram negados

Texto: Redação | Edição: Nataly Simões | Imagem: Reprodução/Jericho Movement

Jalil Muntaqim, ex-membro dos Panteras Negras, receberá liberdade até o dia 20 de outubro em razão de uma determinação do Conselho de Condicionais do Estado de Nova York, após uma série de audiências que o ativista compareceu desde 1998, ano em que pôde iniciar seu pedido de liberdade condicional.

O ex-Pantera Negra, hoje aos 68 anos, foi preso em 1971, aos 19 anos, acusado de matar dois policiais durante um tiroteio no Harlem. Embora tenham surgido várias evidências que apontam sua inocência, ele ficou preso por 49 anos e teve todos os pedidos de liberdade condicional negados.

A principal testemunha do suposto crime era um outro membro dos Panteras Negras, o Ruben Scott. Na época da condenação de Muntaqim, ele reconheceu que o incriminou após sessões de tortura, mas seu depoimento não foi validado pela justiça.

Um relatório balístico do FBI também constatou que a arma encontrada com o ativista no momento da prisão não correspondia aos projéteis encontrados nos corpos dos policiais mortos. O parecer federal, porém, foi substituído pelo da polícia de Nova York, com uma conclusão oposta.

Quase 50 anos depois, as autoridades continuam a negar a possibilidade de inocência do ex-Pantera Negra. A justificativa para libertá-lo em outubro é a de que ele expressou “remorso” pelos crimes cometidos e de que seu sentimento “era genuíno”.

Nascido em Oakland, na Califórnia, o ativista é filho de admiradores do pacifismo de Martin Luther King. Ele foi batizado como Anthony Bottom, mas adotou outro nome após conversão para o islamismo.

Se filiou ao Partido dos Panteras Negras aos 17 anos, onde participou da força armada e mais tarde do Exército Negro de Libertação (BLA, na sigla em inglês). Durante o período de encarceramento, Muntaqim se graduou em Psicologia e Sociologia, escreveu romances e poemas e não abandonou a luta social, se tornando uma das principais figuras pela libertação dos presos políticos nos Estados Unidos.

Com informações do site Opera Mundi.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com