fbpx

João Paulo Cuenca, Geovani Martins e Bianca Santana alertam no documento para “eleição eminente de um candidato racista, machista, homofóbico”

Texto/Aline Bernardes
Imagem/Reprodução

A delegação brasileira de escritores divulgou um manifesto contra o candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL) na Feira do Livro de Frankfurt, o evento mais importante do gênero do mundo.

"Repudiamos a escalada fascista no Brasil e alertamos para a eleição iminente de um candidato racista, machista, homofóbico, apologista da tortura e que advoga pelo extermínio de ativistas e das minorias", diz o texto.

O documento foi assinado por três autores da delegação oficial brasileira na feira alemã: Bianca Santana, Geovani Martins e J.P. Cuenca. O texto pede a criação de uma frente "democrática antifascista que nos livre do pior".

Para eles, esse documento defende os direitos humanos e a liberdade de expressão. “A constituição de 1988 está em risco, assim como a vida de mulheres, LGBTs, negras, negros e ativistas que têm sofrido agressões por todo o país”.

A Feira do Livro de Frankfurt reúne anualmente, em outubro, cerca de 7.300 expositores de mais de cem países durante cinco dias. Neste ano, a Geórgia é a nação homenageada. Em 2013, foi o Brasil.

Leia a íntegra do manifesto:

Nós, abaixo assinados, escritora e escritores brasileiros representantes do Brasil na Feira do Livro de Frankfurt de 2018, pautados na defesa da liberdade de expressão e dos direitos humanos: 1- Repudiamos a escalada fascista no Brasil e alertamos para a eleição iminente de um candidato racista, machista, homofóbico, apologista da tortura e que advoga pelo extermínio de ativistas e das minorias; 2- Lembramos que, se o candidato é fascista, a maior parte de seus eleitores não é. O desencanto pela política os levou a um voto de protesto com consequências desastrosas. Ainda há tempo de rever o próprio voto antes do segundo turno eleitoral, colocando o respeito às diferenças e à liberdade acima de disputas partidárias; 3- Rogamos pela criação de ampla frente democrática antifascista que nos livre do pior. A constituição de 1988 está em risco, assim como a vida de mulheres, LGBTs, negras, negros e ativistas que têm sofrido agressões por todo o país.

Bianca Santana, Geovani Martins, J.P. Cuenca"

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com