fbpx

Professor de direito avalia que a proposta do Ministro da Justiça, Sérgio Moro, aumentaria a letalidade policial

Texto / Nataly Simões | Edição / Pedro Borges | Imagem / Marcelo Camargo/Agência Brasil

O excludente de ilicitude proposto no pacote de segurança pública do Ministro da Justiça, Sérgio Moro, foi rejeitado por 9 votos a 5 pelo grupo de trabalho responsável pela análise do texto na Câmara dos Deputados. Na avaliação de deputados e especialistas em segurança pública, a medida poderia aumentar a letalidade policial.

O deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) afirmou que, durante audiências públicas, pesquisadores sobre o tema foram ouvidos pelo grupo de trabalho criado para discutir as propostas de Moro.

“Nenhum dos especialistas que visitaram a Câmara aprovou a medida. A opinião pública também já sinalizou ser contrária ao excludente de ilicitude, pois não é com mais violência que a sociedade terá paz”, destacou.

Previsto no Código Penal, o excludente de ilicitude define a possibilidade de redução da pena quando atos ilegais, como tirar a vida de alguém, são cometidos. O dispositivo se aplica, por exemplo, se o autor do crime alegar legítima defesa.

O texto proposto por Sérgio Moro estipulava que a pena poderia ser reduzida pela metade ou até não aplicada se o crime praticado por agente público, como policial, ocorresse por “escusável medo, surpresa ou violenta emoção”.

O tema voltou à tona após o assassinato de Ágatha Felix, de apenas oito anos, no Complexo do Alemão (RJ). Familiares da criança vitimada e moradores da região acusam a polícia de ter feito o disparo.

Para o advogado e professor de direito Gabriel Sampaio, os termos foram mal empregados no texto e poderiam aumentar a violência no país.

“Os termos iriam possibilitar que qualquer pessoa incluindo agentes policiais pudessem ter um benefício maior na pena. Isso poderia estimular ações equivocadas e até assassinatos”, avalia.

Segundo dados da 13ª edição do Anuário da Violência, divulgado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FPSP), 5.179 pessoas foram mortas por policiais militares e civis em serviço ou de folga, em 2017. No ano passado, o número de mortos subiu para 6.220. Entre as vítimas, 75,4% eram negros.

“Estamos em um momento de altíssima letalidade policial. É necessário reforçar instrumentos de controle desse problema em vez de práticas que estimulem a morte das pessoas”, sustenta Gabriel Sampaio.

O grupo de trabalho da Câmara também rejeitou um trecho do texto que tratava sobre legítima defesa. A proposta de Sérgio Moro ampliava o dispositivo para agentes policiais que tirem a vida de alguém em conflito armado. O item foi derrubado por 8 votos a 4.

O pacote de segurança pública ainda será analisado pelo Plenário da Câmara dos Deputados, que poderá aprovar ou reprovar a decisão do grupo de trabalho.

Segundo o advogado e professor de direito Gabriel Sampaio, apesar disso, a derrubada do excludente de ilicitude e da ampliação da legítima defesa para agentes policiais por parte do grupo de trabalho foi significativa.

“Embora o Plenário da Câmara ainda deva se manifestar, a rejeição por parte do grupo de trabalho representa uma vitória importante para todos que defendem a vida, especialmente da população negra”, conclui.

Denúncia do movimento negro

Integrantes do movimento negro acompanharam as reuniões do grupo de trabalho na terça-feira (24) e na quarta (25). Eles levantaram cartazes em protesto ao pacote de Moro com os dizeres: “pacote anticrime é uma solução fake”.

Desde que a proposta foi apresentada pelo Ministro da Justiça, o movimento negro tem feito pressão pela revogação de pontos como o excludente de ilicitude. Em maio, o pacote foi denunciado na Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), em Kingston, na Jamaica.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com