fbpx

Time goiano perdeu de 3 a 0, em casa, para o Brusque FC, de Santa Catarina, no dia 2 de janeiro; ofensa racista foi denunciada pela assessora de imprensa do time visitante

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nataly Simões I Imagem: Reprodução

O dirigente Vinícius Marinari do Vila Nova FC, de Goiás, chamou de “macaco” um jogador do Brusque FC, de Santa Catarina, durante o segundo tempo do jogo pela série C do campeonato brasileiro que aconteceu em Goiás, no sábado (2). O time da casa perdeu por três a zero. A ofensa foi ouvida pela assessora de imprensa do Brusque, que estava na arquibancada onde também estava o dirigente Marinari.

Por conta da pandemia da Covid-19, o novo coronavírus, o jogo foi realizado sem torcida, o que permite ouvir com mais clareza a reação e o posicionamento da equipe técnica que acompanhava o jogo.

O time catarinense fez uma postagem em uma rede social denunciando o racismo e a injúria racial. “Um dirigente do Vila Nova chamou o atleta (*) de macaco, se referindo a cor da pele dele”. A publicação foi feita na mesma data.

Após uma falta sofrida pelo jogador do time visitante, a assessora de imprensa ouviu Vinicius Marinari gritar: “levanta daí, seu macaco”. A assessora disse à Alma Preta que o estádio é pequeno e foi clara a declaração do dirigente. 

Os representantes do Brusque informaram o caso de racismo para o representante da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) que acompanhava o jogo. Também, segundo o time, foi feito um boletim de ocorrência na delegacia de polícia. A equipe da Polícia Militar que fazia plantão no estádio também foi notificada.

Após o jogo, o técnico do Brusque, Jerson Testoni, sem falar diretamente sobre o caso de racismo, ressaltou que a equipe é unida e que os jogadores precisam de mais incentivo e respeito. “Jogar aqui em Goiânia não é fácil”, afirmou.

O Brusque FC é líder do grupo e avança em direção a classificação para subir para a série B. No segundo tempo, quando o jogo estava um a zero para o time de Santa Catarina, o Vila Nova chegou a perder um pênalti. Foi o quinto jogo seguido sem derrota do Brusque.

A direção do Vila Nova negou que houve racismo. O time afirma que não teve outras testemunhas do xingamento, além da assessora de imprensa do time adversário.

A Alma Preta tentou entrar em contato com Vinicius Marinari, que teria sido o autor da ofensa racista contra o meia do Brusque. Até a publicação deste texto, o dirigente não respondeu ao contato. Via redes sociais, ele também não fez nenhuma referência à derrota ou à acusação de racismo. O Vila Nova, por sua vez, informou que vai entrar com uma acusação de calúnia contra o time de Santa Catarina.

Segundo o Observatório da Discriminação Racial no Futebol, em 2019, a justiça esportiva julgou 10 casos de racismo e em oito deles houve a aplicação de multas, que somou pouco mais de R$ 81 mil. Cinco, das 10 multas, tiveram valor abaixo de R$ 2 mil.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com