fbpx

Quilombos têm escassez de infraestrutura médica, com poucos postos de saúde e atendimentos reduzidos

Texto / Pedro Borges I Edição / Simone Freire I Imagem / Maria Anffe / GcomMT

As comunidades quilombolas confirmaram os primeiros casos de Covid-19, o novo coronavírus, nesta terça-feira (14). Os dados, divulgados pela Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Rurais Quilombolas (Conaq), apontam casos nos estados da Bahia e do Rio de Janeiro.

Na Comunidade Mata do Milho, na cidade de Canarana (BA), uma jovem de 24 anos foi diagnosticada com o vírus. Ela esteve há pouco tempo em São Paulo, epicentro da pandemia no país, para o enterro de um familiar. Quando retornou ao quilombo, passou a sentir sintomas da doença e segue em tratamento e quarentena.

Na cidade de Armação dos Búzios, região dos lagos no RJ, no Quilombo Rasa (RJ), um homem de 26 anos foi diagnosticado com Covid-19. Apesar de não ser quilombola, ele morava na comunidade. Todos os que tiveram contato com ele estão em quarentena e houve uma visita de uma equipe de saúde para orientar a comunidade, segundo informações da Conaq.

As orientações para as comunidades quilombolas, dadas pela própria Conaq, é a de manutenção das práticas de higiene, com o cuidado na limpeza das mãos com água, sabão e, se possível, álcool em gel, além da manutenção do isolamento social evitando a circulação para as áreas urbanas e o toque pessoal, em especial com os sujeitos mais velhos. A organização também pede para a continuidade da suspensão dos rituais religiosos.

Em entrevista recente ao Alma Preta, as comunidades quilombolas relataram a escassez do acesso à saúde, fator que gera preocupação diante da pandemia. “Com o Covid-19, cadê o álcool em gel? Cadê as máscaras gratuitas? Se depender do governo, iremos morrer”, disse Manuel dos Santos, do quilombo Mumbaça, em Traipu (AL).

Na ocasição, a afirmação foi uma resposta ao posicionamento do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, no dia 18 de março, que, ao lado de outros ministros e do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), afirmou, em entrevista coletiva, que o Sistema Único de Saúde (SUS) estava presente em todo território nacional, inclusive nos quilombolas.

Para exemplificar a ausência do SUS em alguns territórios, Manuel dos Santos sinalizou que dos quatro quilombos certificados e reconhecidos no município de Traipu, em apenas dois existem postos de saúde e em apenas um há agente de saúde. A infraestrutura, disse ele, é inadequada para dar conta dos cuidados de todas as comunidades. “Pessoas já chegaram a morrer por falta de ambulância para socorrer”, recordou.

Governo

Questionado pela reportagem, o Ministério da Saúde não retornou sobre a existência dos casos nos territórios quilombolas. Já a Fundação Cultural Palmares, órgão responsável pela certificação do autorreconhecimento das comunidades quilombolas, também foi questionada sobre eventual suporte aos quilombos, mas não retorno até o fechamento desta reportagem.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com