fbpx

Usando a hashtag #CoronaNasPeriferias, eles questionam que a maioria das providências estabelecidas pelo governo não se aplicam à realidade dos moradores

Texto / Redação | Edição / Simone Freire | Imagem / Reprodução

Dezenas de comunicadoras e comunicadores das periferias e favelas de todo o país lançaram uma carta pública, nesta quinta-feira (19), em que reúnem esforços para informar seus territórios sobre ações relacionadas ao Covid-19, o coronavírus.

Usando a hashtag #CoronaNasPeriferias, eles questionam no documento que a maioria das providências estabelecidas pelos governos federal, estaduais e municipais para conter a disseminação do vírus não se aplicam à realidade dos moradores de territórios periféricos e favelas do país.

“O governo e várias organizações indicam o isolamento social como o principal meio de prevenção da doença. Isso não é permitido à nossa realidade! A periferia é a empregada doméstica, o porteiro, o motorista de app, o entregador, o trabalhador informal que precisa estar no busão e no metrô vendendo seus produtos para levar renda pra dentro de casa ou o comerciante local que não pode suspender suas atividades”, escrevem.

Confira a íntegra da carta e seus signatários:

id visual corona nas periferias 1

Estamos diante de uma pandemia. A palavra ainda soa estranha para muita gente e tudo que ela carrega por trás também.

Covid-19, o que todos conhecemos por coronavírus, chegou ao Brasil e seus efeitos são reais. Há infectados, há mortos.

Para conter maiores problemas os governos federal, estadual e municipal - muito timidamente ainda - têm divulgado e estabelecido uma série de ações às quais a população inteira do país precisa se submeter.

No entanto, mais uma vez, as favelas, periferias, guetos, quilombos, sertões e toda população à margem está à mercê da sua própria sorte.

Vamos começar pelo básico: lavar as mãos! Esta tem sido uma recomendação amplamente divulgada. Como é possível que isso seja realmente feito a fim de evitar a contaminação se a quebrada e a favela estão sem água?

O governo e várias organizações indicam o isolamento social como o principal meio de prevenção da doença. Isso não é permitido à nossa realidade!

A periferia é a empregada doméstica, o porteiro, o motorista de app, o entregador, o trabalhador informal que precisa estar no busão e no metrô vendendo seus produtos para levar renda pra dentro de casa ou o comerciante local que não pode suspender suas atividades.

O quanto nossos patrões estão dispostos a seguir os passos que a humanidade pede e permitir que cada um destes profissionais pratique o isolamento e mesmo assim pagar seus salários?

Ficar em casa, se isolar, não pode ser sinônimo de falta de renda. Se for assim, como garantir que a população periférica consiga comprar sequer um álcool em gel para ajudar na prevenção da contaminação? Se o governo vai ajudar os grandes empresários a não quebrar, vai ajudar ao favelado pagar suas contas também? Vai ajudar a senhora que vende guarda-chuva na esquina a não quebrar?

O foco agora é fazer o máximo de esforço para se conter a disseminação da doença. É tentar fazer com que o número de infectados possa ter atendimento hospitalar gradualmente e, ao mesmo tempo, evitar um colapso no Sistema Único de Saúde (SUS), tão negligenciado e abandonado pelo poder público, mas tão necessário e um marco no enfrentamento a tudo que ainda está por vir para conter o Covid-19, o coronavírus. 80% dos usuários do SUS são pretos e pretas.

Diante de tantas recomendações, a periferia - mesmo sendo a mais afetada -, ainda não está conseguindo participar e se informar como realmente precisa. Precisamos saber apontar caminhos que realmente levem as nossas realidades em consideração.

É aí que entramos. Nós, comunicadores periféricos e periféricas de várias partes do país, estamos juntando esforços para colaborar com informações precisas e que realmente consigam alcançar os nossos. Precisamos saber informar nossas crianças, nossos jovens, nossos idosos, nossos pais, mães e familiares. De nós para os nossos!

Assim, lançamos uma coalizão nacional de enfrentamento ao coronavírus através da frente #CoronaNasPeriferias

Assinam esta carta:
Priscilla Castro - Coletivo Nós por Nós (GO)
Marcelo Vinícius - Coletivo Duca (DF)
Tony Marlon I Campo Limpo, SP
Thiago Borges I Periferia em Movimento, Grajaú, SP
Mariana Belmont, Parelheiros, SP
Simone Freire -Alma Preta / Preto Império - Brasilândia (SP)
Dimas Reis - Preto Império - Brasilândia (SP)
Wallace Morais - Vozes das Periferias (SP)
Cesar Gouveia - Vozes das Periferias (SP)
Antonio Benvindo - Instituto Cultural Coletivo Semifusa/Ribeirão das Neves (MG)
Buba Aguiar - Coletivo Fala Akari (RJ)
Pedro Stilo - Coletivo pão e tinta / Jornalistas livres (PE)
Tainá Oliveira Barral - Na Cuia Produtora Cultural (PA)
Kalyne Lima - Vila Manoel Satiro - Jornalistas livres (CE)
Ingrid Farias - Brasília Teimosa - Escola Livre de Redução de Danos (PE)
Bruno Sousa - The Intercept Brasil - Favela do Jacarezinho (RJ)
Pedro Borges - Alma Preta (SP)
Raull Santiago - Coletivo Papo Reto (RJ)
Gizele Martins - Coletivo MARÉ 0800 (RJ)
José Cícero - DiCampana Foto Coletivo (SP)
Lucas Barbosa - Usina de Valores (RJ, SP, BA, PE)
Marcela Lisboa - Usina de Valores (RJ, SP, BA, PE)
Francisca Rodrigues - Agência Paraisópolis (SP)
Bruna Hercog - CBCOM e Rede ao Redor (BA)
Adriana Gerônimo - JBD Lagamar - Fortaleza (CE)
Rebeca Motta - Jornal Embarque no Direito - Jd. ngela ( SP)
Rosalvo Neto - Instituto Mídia Étnica / Correio Nagô (BA)
Wellington Frazão - Periferia em Foco - Belém do Pará (PA)
Gisele Alexandre - Agência Mural de Jornalismo das Periferias (SP)
Renato Silva - Favela em Pauta (RJ)
Alex Hercog - CBCom (BA)
Lucas Abreu Antonio - Jaçanã (SP)
Rick Trindade - Itabuna (BA)
Clara Bispo - Movimento Pela Paz na Periferia: Família MP3 - Teresina (PI)
Riviane Lucena - Embarque no Direito (SP)
Jéssica Moreira - Nós, mulheres da periferia (SP)
Jefferson Barbosa – PerifaConnection - Voz da Baixada (RJ)
Michel Silva - Fala Roça (RJ)
Daiene Mendes - Favela em Pauta (RJ)
Tiê Vasconcelos - Voz das Comunidades (RJ)
Biatriz Santos - Coletivo de Juventude Negra Cara Preta - Camaragibe (PE)
Rodrigo Gonçalves Benevenuto - Coletivo Salve Kebrada (SP)
Lola Ferreira - Magé, Baixada Fluminense (RJ)
Amanda Pinheiro - Fala Roça - Rocinha (Rj)
Eloi Leones - data_labe - Rio de Janeiro
Marcelo Rocha - São Paulo, na visão dos cria - Mauá (SP)
Mirian Fonseca- Lauro de Freitas -
CBCOM (BA)
Anderson Meneses - Agência Mural de Jornalismo das Periferias (SP)
Muller Silva - ONG Interferência (Capão Redondo - SP)
Mariana Assis- Voz das Comunidades (RJ)
Yane Mendes - Rede Tumulto - Recife (PE)
Natália Bezerra - Recife (PE)
Taís Sales de Moraes - Cine e Rock - Rio das Pedras (RJ)
Walter Oliveira da Silva - Coletivo Jovem Tapajônico - Caranazal, Santarém (PA)
Gabriel Santos - Movimento Afronte - Projeto Alternativo para Meninas e Meninos de Rua - Erê - Vila Brejal, Maceió (AL)
Jusciane Rocha - Belém (Pa)
Naldinho Lourenço - LABirinto Agência Maré (RJ)
Aline Rodrigues - Periferia em Movimento (SP)
Jessica Ipolito - Revista Afirmativa - Salvador (BA)
Anisio Borba - LABirinto Agência Maré (RJ)
Lívia Lima - Nós, mulheres da periferia (SP)
Enderson Araujo - Mídia Periférica (BA)
Juliana Pinho - LABirinto Agência Maré (RJ)
Andreza Delgado - Capão Redondo São Paulo
Wesley Teixeira - Morro do Sapo na Baixada Fluminense (RJ)

bannerhorizontal

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com