fbpx

Voltado à criação literária, evento tem como mote mostrar a produção de artistas negros; noite terá também estreia da exposição “Elifas Andreato - A Arte Negra na Cultura Brasileira”

Texto / Redação
Fotos / domínio público e acervo (Elifas Andreato)

 

Acontece na noite desta terça-feira (20) o lançamento da primeira edição da BienAfro (Bienal Afro-Brasileira do Livro), no espaço Estação Cultura. Organizado pela Secretaria da Cultura do Governo do Estado de São Paulo e com realização prevista em dezembro de 2018, o evento tem como mote a produção literária e homenageará o líder abolicionista Luiz Gama.

A BienAfro, cuja idealização e produção é do Grupo Cultural Refavela, dirigido pelo produtor Eufrásio Gato Félix, ex-integrante do grupo Novos Baianos, e da professora Cinthia Gabriel, tem como objetivo celebrar a produção literária de afrodescentes brasileiros e nascidos nos demais países americanos, assim como de escritoras e escritores do continente africano - isso sem contar novos talentos da cena literária. A iniciativa tem também apoio do Governo do Estado de São Paulo, da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo e da Unesp (Universidade Estadual Paulista).

A solenidade de lançamento da BienAfro contará com presenças de dois reis de povos do Benim (antigo Daomé), país da África ocidental; e do secretário de Cultura do Estado, José Luiz Penna. A noite terá também apresentações do Quarteto de Saxofones da Emesp Tom Jobim, do grupo de dança Afro Base Treme Terra e do cantor Dinho Nascimento.

"Menino e Bandeira", de Elifas Andreatto


Noite tem também estreia de exposição de Elifas Andreato

Juntamente com o lançamento da 1ª BienAfro, acontecerá também a inauguração da mostra “Elifas Andreato - A Arte Negra na Cultura Brasileira”, que contará com acervo composto por 12 obras do artista, que tem mais de 50 anos de carreira. A exposição, que estará disponível até 29 de março e tem entrada gratuita, reforça a importância do Dia Mundial Contra a Discriminação Racial (21 de março).

Com curadoria do próprio Andreato e de seu filho, Bento Andreato, a exposição tem como objetivo representar o papel do negro na sociedade por meio da cultura. Alguns destaques são as obras “Menino e Bandeira” e retratos feitos de artistas como Clementina de Jesus, Paulinho da Viola, Adoniran Barbosa, Cartola e Martinho da Vila.


Serviço

Lançamento da BienAfro (Bienal Afro-Brasileira do Livro): 20 de março, às 19h
Inauguração da exposição “Elifas Andreato - A Arte Negra na Cultura Brasileira”: 20 de março, às 19h30 (estará disponível até 29 de março e tem entrada gratuita)
Local: Estação Cultura (rua Mauá, 51, bairro da Luz - sede da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo)

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com