fbpx

Ao todo, 11 pessoas foram assassinadas em 19 de maio do ano passado; oito acusados aguardam julgamento

Texto / Flávia Ribeiro | Edição / Simone Freire | Imagem: Reprodução

Há um ano, o bairro do Guamá, o mais populoso de Belém, ganhava manchetes até da imprensa internacional com uma chacina que resultou na morte de 11 pessoas e deixou uma ferida. Neste ano, além de lidar com as lembranças, o bairro, na periferia da capital paraense, enfrenta um novo desafio: está entre os que mais concentram casos confirmados de Covid-19, o novo coronavírus.

A chacina se deu na tarde de 19 de maio de 2019, quando homens invadiram o Wanda’s Bar, localizado na Passagem Jambu, nº52 e dispararam em várias pessoas matando seis mulheres e cinco homens: Alex Rubens Roque Silva; Flávia Telles Farias da Silva; Leandro Breno Tavares da Silva; Maria Ivanilza Pinheiro Monteiro; Márcio Rogerio Silveira Assunção; Meire Helen Sousa Fonseca; Paulo Henrique Passos Ferreira; Samara Santana da Silva Maciel; Samira Tavares Cavalcante; Sergio dos Santos Oliveira e Tereza Raquel Silva Franco. O único sobrevivente tem sua identidade protegida.

As investigações apontaram que somente duas pessoas seriam os alvos e que a ação durou um minuto. Foi identificado o envolvimento de oito pessoas no crime. Dos acusados, quatro são policiais militares. Dentre os civis, um está foragido. O julgamento dos policiais militares estava marcado para acontecer em março deste ano, mas por conta da pandemia do novo coronavírus precisou ser adiado. Os julgamentos correm na justiça militar e na justiça comum.

Pandemia

O Guamá é o bairro mais populoso de Belém, com cerca de 100 mil habitantes. Sempre lembrado por tragédia e caos de violência, o lugar, como toda periferia também, é marcado por manifestações culturais e outras formas de resistência. Neste ano, os moradores se veem com um novo desafio: a pandemia da Covid-19.

Segundo a Secretaria de Estado de Saúde (Sespa) há 389 casos confirmados da doença lá. É o terceiro mais atingido da capital, que soma 7.485 casos. O Pará acumula 18.929 casos confirmados nesta quarta-feira (20) com 1.778 óbitos.

bannerhorizontal

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com