fbpx

Saiba quais cuidados precisam ser tomados para não haver contaminação com o novo coronavírus

Texto / Guilherme Soares Dias | Edição / Simone Freire | Imagem / Newman Costa

O crescimento das contaminações pelo novo coronavírus trouxe várias mudanças para a nossa rotina: seja o isolamento social, o uso das máscaras, o distanciamento nos locais com aglomerações de pessoas. Mas, afinal, devo prender ou proteger meu cabelo black, tranças ou rasta ao sair na rua? Devo tirar ou diminuir minha barba? O Alma Preta traz as orientações da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) para estes casos.

A necessidade de cortar o cabelo, andar sempre com ele preso ou protegido é mito, segundo a SPD. “Essa é uma orientação válida para os médicos que, geralmente, colocam a mão no cabelo e, após, na máscara. Para a população a medida não possui eficácia. O importante é manter os fios limpos”, informa o site do órgão.

No caso da barba, apesar de alguns famosos terem tirado logo no início do período de isolamento social, o dermatologista Sérgio Palma, presidente da SBD, afirma que é mito a necessidade de ficar com “rosto liso” para se proteger da doença. “Retirar a barba facilita a limpeza e a higiene na região, no entanto, não é preciso raspá-la. O importante é redobrar a limpeza e higiene da pele e pelo da área com água e sabão”, ressalta a SPD.

Mas há profissionais que indicam maior cautela com barbas e cabelos nesse momento de pandemia. “Eles podem ser carregadores do vírus. Pelos de um modo geral, tem a tendência de acumular microorganismo. E quando falando de um cabelo crespo ou cacheado (tipo 3 ou 4) a gente está falando sobre uma superfície mais densa. Então temos cuidados diferenciados sim!”, acredita o dermatologista Fred Nicácio.

De acordo com o especialista, quanto maiores os cabelos crespos, maior a possibilidade de acumular mais micro-organismos. “É preciso usar toucas, turbantes, lenços e afins para visitar lugares de trânsito de pessoas, por mais que não haja aglomeração. Precisamos lembrar que o vírus fica suspenso nas gotículas do ar, e então fica fácil de ser ‘preso’ aos cabelos. Se não tiver proteção, vale a pena lavar os cabelos ao chegar a casa”, orienta. Nicácio lembra ainda que para os profissionais da saúde o uso da touca é obrigatório nos ambientes hospitalares.

Já o New York Times ressaltou em um artigo em que responde dúvidas dos leitores que, embora seja verdade que um espirro ou tosse de uma pessoa infectada possa projetar gotículas virais e partículas pelo ar, a maioria delas cairá ao chão. Estudos mostram que algumas pequenas partículas virais podem flutuar no ar durante cerca de meia hora, mas elas não atacam como vespas e tendem a não colidir com suas roupas, cabelo ou barba.

O doutor Andrew Janowski, instrutor de doenças infecciosas pediátricas na escola de medicina da Universidade de Washington, Hospital Infantil St. Louis, lembrou para a publicação que para haver contaminação a partir de um espirro deve ter uma certa quantidade de vírus.

“Depois deve haver um número de gotículas que pousam em você e teria que tocar aquela parte do seu cabelo, barba ou da roupa onde estão as gotículas – que já tiveram uma redução significativa de partículas virais – e depois tocar qualquer parte do seu rosto para entrar em contato com elas. Isso diminui muito o risco", frisa.

Como prevenção, a SPD indica intensificar os hábitos de higiene pessoal, “de preferência por meio do uso de água e sabão/sabonete durante o banho e de álcool 70% (em gel ou líquido) para higienizar as mãos, antes e depois de tocar em superfícies possivelmente contaminadas”.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com