fbpx

Casos do novo coronavírus na capital paulista aumentaram 290% entre negros e 198% entre brancos; segundo médico, dados revelam os efeitos do racismo estrutural na saúde pública

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nataly Simões I Imagem: Getty Images

Os bairros com mais moradores negros na cidade de São Paulo acumulam os maiores números de mortes decorrentes da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Até o dia 22 de junho, a capital registrou 12.549 mortes em decorrência do vírus e cinco bairros das periferias concentram 1.321 dos óbitos. Sapopemba (300), Brasilândia (277), Grajaú (267), Jardim Ângela (240) e Capão Redondo (237).

De acordo com o Mapa da Desigualdade, elaborado pela Rede Nossa São Paulo e divulgado no final de 2019, os cinco distritos concentram uma população de negros - pessoas que se autodenominam como pretas ou pardas - maior que a média da capital, que é de 32,1%. A porcentagem de moradores negros nesses bairros é de 41,7% em Sapopemba, 50,6% na Brasilândia, 56,8% no Grajaú, 60,1% no Jardim ngela e 53,9% no Capão Redondo.

Para o médico Yuri Alencar, vice-presidente do Instituto Luiza Mahin, a morte de negros durante a pandemia revela os efeitos do racismo estrutural na saúde pública. “Quando há sobrecarga dos serviços de maneira que a demanda é maior que a capacidade de atendimento, e na ausência de legislação que estabeleça critérios objetivos para elencar pacientes com prioridade de atendimento (há critérios científicos mas não são amparados por legislação específica), a escolha pode vir a ser subjetiva ou amparada por crenças pseudo científicas oriundas do período eugenista, como a de que somos naturalmente mais fortes e resistentes”, explica Alencar.

O município de São Paulo registrou 415.834 casos de síndrome gripal e síndrome respiratória aguda até o dia 16 de junho,as duas doenças respiratórias estão diretamente ligadas ao Covid-19. Deste total, 293.670 casos, tinham a indicação de raça ou cor do paciente. Em 126.637 dos casos, o paciente era negro, o que corresponde a 43,2%, uma proporção de 10 pontos percentuais acima da população negra da capital paulista, de 32,1%.

Os dados da Secretaria Municipal de Saúde mostram que 114.118 negros foram diagnosticados com síndrome gripal e 12.529 com síndrome respiratória aguda. Em janeiro, antes da pandemia, foram 29 casos de síndrome gripal entre negros. Já em abril, foram 15.748 registros entre negros. Em maio, o número pulou para 61.450 casos, um crescimento de 290% na comparação com o mês anterior. Na primeira quinzena de junho, foram 36.259 novos casos entre a população negra da capital paulista.

Entre os pacientes brancos, foram 33 casos de síndrome gripal em janeiro e o número saltou para 19.888 casos em abril. No mês de maio, foram 59.334 pacientes brancos, alta de 198% na comparação com abril.

“Em contextos normais, sem pandemia ou grandes desastres, já morremos mais por doenças evitáveis. É fato que estamos morrendo mais, proporcionalmente [na pandemia]. Isto se deve a iniquidades de saúde que em contexto de crise são escancaradas”, avalia o médico Alencar.

Casos graves

Dos dez bairros com o maior número de casos graves da Covid-19, com internação por síndrome respiratória aguda, sete são na periferia da Zona Sul. O maior número é no Jardim ngela, com 919 casos até o dia 9 de junho. No Jardim São Luiz, foram 795 casos, e outros 760 no Capão Redondo. O Grajaú segue logo atrás com 750 internação.

Já Na Brasilândia, Zona Norte, o total de internações por síndrome respiratória grave chegou a 795, o segundo distrito com mais casos na cidade. Em Sapopemba, na Zona Leste, o quarto bairro com mais casos, foram 794 internações. Nas periferias da cidade, a oferta de leitos em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) é menor. Cerca de 60% das vagas em UTI estão em bairros onde vivem menos de 10% dos paulistanos.

O Alma Preta procurou a Secretaria Municipal de Saúde e questionou sobre políticas de saúde para a população negra na pandemia da Covid-19; A reportagem também questionou sobre a subnotificação de informações raciais em um terço dos registros de pacientes. Até a publicação deste texto, a pasta não se posicionou.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com