fbpx

Manifestantes reúnem-se na Avenida Paulista para pedir justiça pela morte da vereadora e seu motorista, Anderson Pedro Gomes

Texto / Thalyta Martina
Imagem / Fernando Frazão - Agência Brasil

A manifestação "1 mês do luto a luta - Ato por Justiça a Marielle" ocorre no próximo sábado (14), no vão livre do MASP (Museu de Artes de São Paulo), a partir das 16h. A data representa mês completo da execução da vereadora do PSOL e de Anderson Gomes, seu motorista.

O ato é organizado pela comunidade Contra o Genocídio Negro e reivindica respostas para questões relacionadas à autoria e os interesses que motivaram a execução de Marielle. De acordo com a descrição do evento, “as autoridades fingem que não enxergam, mas as últimas notícias já dão conta de uma queima de arquivo em curso.” A frase refere-se à execução do líder comunitário Carlos Alexandre Pereira Maria, 37, foi morto a tiros no domingo (8), na Zona Oeste do Rio. Ele era assessor do vereador Marcello Siciliano (PHS), que foi uma das pessoas ouvidas no inquérito para apuração das mortes da vereadora e do seu motorista.

A manifestação integra a campanha #30diasporMarielle, lançada em 31 de março por organizações e coletivos do movimento negro, entidades mistas e pessoas independentes de São Paulo. Os grupos uniram forças para a elaboração de atividades unificadas e pela construção de uma paralisação nacional contra o genocídio negro e contra a intervenção militar no Rio de Janeiro em memória de Marielle Franco e de Anderson Gomes. A ação tem atividades programadas até 5 de maio.

Outros eventos no dia 14/04

Amanhecer por Marielle e Anderson

Sarau Eu Sou Porque Nós Somos por Marielle na Maré 

Oficina Marielle Vive em nossa luta no Centro Teatro do Oprimido 

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com